Fumantes subestimam riscos à saúde, diz estudo

Mais fumantes entrevistados acreditavam que exercício “compensa” o vício

Os fumantes subestimam seriamente os riscos a que estão se expondo por causa do cigarro, indica um estudo feito nos Estados Unidos.
A pesquisa foi feita pela Universidade de Rutgers, em Nova Jérsei, e divulgada pela publicação Tobacco Control, que se identifica como um jornal internacional para especialistas em saúde e outros envolvidos no controle do tabaco.

Mais de 6,3 mil pessoas foram avaliadas e a conclusão foi que os fumantes estão menos cientes do risco de doenças como o câncer de pulmão do que os não-fumantes.

Entre os entrevistados, havia fumantes (1.245), ex-fumantes e pessoas que nunca fumaram.

Exercícios

O estudo revelou, por exemplo, que metade dos fumantes entrevistados acreditavam na teoria de que a prática de exercícios físicos revertia os piores efeitos do cigarro. No grupo dos ex-fumantes, a proporção dos que acreditavam nisso foi de um terço.

Um número maior de fumantes (35% contra 31% dos ex-fumantes) também disse acreditar que a incidência de câncer de pulmão depende mais da composição genética de cada um do que de qualquer outra coisa.

“Este estudo fornece provas claras de que os fumantes fazem minimização de riscos ao convencer a si mesmos que eles não estão tão sujeitos a riscos quanto os outros fumantes”, escrevem os pesquisadores da Universidade de Rutgers no Tobacco Control.

Segundo os autores do estudo, o argumento de que “as pessoas começam ou continuam a fumar com conhecimento adequado dos riscos potenciais” parece “indefensável” diante “das provas acumuladas”.

“O estudo refuta completamente o argumento da indústria do tabaco de que as pessoas fumam por meio de uma escolha informada.”

Fonte: BBC