ONU aprova ações da Holanda contra a maconha

Em relatório anual divulgado nesta terça-feira, a Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes-JIFE, entidade da Organização das Nações Unidas-ONU, elogia as iniciativas da Holanda para diminuir o consumo de cannabis (maconha e haxixe).

Segundo o documento, o governo holandês tem orientado as autoridades locais a adotarem a nova política nacional voltada para os cafés onde a droga é vendida em quantidades limitadas para consumo pessoal.

A JIFE afirma que a Holanda pretende reduzir o número desses estabelecimentos localizados perto de escolas e nas áreas de fronteira, para desestimular o “narcoturismo”. Segundo o relatório, o governo holandês considerou em documento interministerial que a maconha é prejudicial tanto para os usuários como para a comunidade.

O documento holandês diz que os cafés têm parcela de culpa na manutenção do comércio de drogas ilegais e não contribuem para a redução de crimes relacionados às drogas.

De acordo com o relatório da JIFE, a Holanda implementará um plano de ação para desestimular o uso de cannabis . O plano inclui campanhas antidrogas voltadas para jovens entre 12 e 18 anos.

Por outro lado, o relatório destaca o aumento do cultivo ilícito da papoula de ópio no Afeganistão. De acordo com o levantamento, a produção afegã é responsável por três quartos da heroína comercializada no mundo. Além disso, o Afeganistão vem se tornando uma grande fonte de resina de cannabis (haxixe) e destino de grande parte das substâncias psicotrópicas traficadas ilegalmente, assim como de suas matérias-primas.

Os recentes conflitos políticos e militares no Iraque também preocupam a JIFE.

“O problema das drogas no Iraque pode se agravar devido à desintegração da estrutura de controle das drogas nesse país. As ligações complexas entre terrorismo, crime organizado, corrupção e tráfico de drogas representam uma ameaça séria, aumentando a preocupação de que a situação pode piorar”.

Autor: Agência Brasil
Fonte: OBID