Organização da polícia não ajuda luta antidrogas no Brasil, diz ONU

Um órgão ligado à ONU que fiscaliza o consumo de narcóticos no mundo disse em relatório que é preciso mais coordenação nas ações do governo brasileiro no combate ao uso de drogas ilegais.

A Junta Internacional de Controle de Narcóticos, em seu relatório anual, diz que o Brasil tem adotado ações para combater o narcotráfico, mas diz que “a ausência de cooperação entre as polícias federal e estaduais limita seriamente a efetividade destes esforços”.

O documento cita ainda que o Brasil sofre com “abuso freqüente” na prescrição de benzodiapinas, um tipo de remédio usado, por exemplo, em tratamentos de pessoas que sofrem de insônia ou de esquizofrenia e que lidera o ranking de drogas usadas ilicitamente no país (a maconha fica em segundo lugar).

Medicamentos contendo codeína também são muito usados de forma irregular, diz o relatório.

De acordo com a junta, os esforços para controlar o uso destas substâncias são prejudicados porque os vários órgãos responsáveis “não estabeleceram uma relação de trabalho efetiva e não há coordenação ou troca de informação entre estas entidades”.

América do Sul

O relatório afirma que “significativos desdobramentos positivos” têm sido observados no combate ao tráfico de drogas na América do Sul.

Entre eles, cita a redução da área de cultivo ilegal de coca e o sucesso dos governos locais no desmantelamento de redes de traficantes.

Ao mesmo tempo, porém, diz que continua a haver cada vez mais “distúrbios sociais e violência” ligados aos entorpecentes e que “o tráfico de drogas e a lavagem de dinheiro ligados a ele seguem ameaçando a estabilidade da região”.

O documento também ressalva que um combate efetivo às drogas na América Latina requer a adoção concomitante de políticas em outras áreas, como a redução da pobreza.
Fonte: BBC