ONU defende controle de drogas e prevenção ao HIV

A abertura da 48ª Sessão da Comissão de Narcóticos das Nações Unidas, foi feita pelo Diretor-Executivo do Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime – UNODC, Antonio Maria Costa que discursou sobre a abordagem entre prevenção e repressão às drogas. Em seu discurso, Antonio Maria repreendeu os grupos que auxiliam a legalização dessas substâncias e afirmou que “as políticas de controle de drogas podem coexistir com as estratégias de combate ao HIV/AIDS”.

Composta por 53 países eleitos no âmbito do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas – ONU, a Comissão de Narcóticos – CND é o órgão central da ONU para o questionamento de políticas sobre a questão das drogas. O evento acontece em Viena, na sede do UNODC, entre os dias 07 e 14 de março de 2005.

Ao falar sobre a relação entre drogas e Aids, o Diretor-Executivo do UNODC disse que pela idéia de políticas de controle de drogas, a população desconhece a dimensão da epidemia de Aids e a prevenção ao HIV, que também deve se ligar à problemática do uso indevido de drogas. Para ele, os governos podem e devem se certificar quanto ao controle de drogas e a prevenção ao HIV. “Existe uma possibilidade do reconhecimento global de que o abuso de drogas pode ser uma plataforma para o HIV”, ressaltou Antonio Maria.

Os projetos do UNODC voltados para usuários de drogas injetáveis, proporcionam a redução e o enfraquecimento dessas populações ao HIV. Antonio Maria Costa lembrou que, “todos os Estados devem reforçar seus esforços para reduzir a demanda por drogas ilícitas, levando em consideração a propagação do HIV/AIDS relacionados às drogas”.

A comunidade internacional no controle de drogas ilícitas e Antonio Maria falaram sobre a questão dos governos que estão cada vez mais conscientes de que é possível assegurar saúde e segurança para a população, sem abrir mão das políticas de controle de drogas. Destacando as recentes mudanças da política holandesa e dinamarquesa em relação ao Cannabis (maconha e haxixe) e a rejeição do eleitorado suíço a uma legislação mais flexível em relação ao controle de drogas.

Autor: Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crimes