Dependência de substâncias e transtorno bipolar do humor. Dois diagnósticos e um substrato neurobiológico comum?

Addiction and the Bipolar Spectrum. Dual Diagnosis with a common substrate?

Icro Maremmani
Matteo Pacini
Giulio Perugi
Hagop Akiskal

Addictive disorders and their treatment, vol 3 (4), 156-163, dec 2004

A psicopatologia da adição consiste de elementos, tais como o craving e perda do controle que estão presentes em outros transtornos mentais, tais como hipomania e transtornos do controle do impulso incluindo (transtorno de personalidade borderline e antisocial).

Os autores deste artigo sugerem que o espectro bipolar, incluindo hipertimia e ciclotimia, apresenta um risco particular para o uso de substâncias.

O transtorno afetivo bipolar é diagnosticado em apenas um de cada três portadores da doença. A comorbidade com uso de álcool e drogas e apresentações clínicas menos típicas podem confundir o clínico e retardar seu diagnóstico além dos seis anos que, segundo o Instituto Nacional de Saúde Mental dos Estados Unidos, decorrem entre a primeira fase da doença e seu diagnóstico.

O Espectro Bipolar

O distúrbio bipolar resulta em oscilações de humor patológicas que variam de mania a depressão, com tendência a recorrer e desaparecer espontaneamente. Podem predominar episódios de mania ou depressão, com poucas oscilações de humor, ou os padrões de oscilação de humor podem ser cíclicos. No distúrbio bipolar (mania), a fase de mania é a fase mais recente ou atual da doença. A fase de mania caracteriza-se por elação, hiperatividade, irritabilidade, participação em muitas atividades, auto-estima elevada, uma tendência a se distrair facilmente e pouca necessidade de sono.
Os episódios de mania podem durar de vários dias a meses. Na fase de depressão, a pessoa apresenta inércia, perda da auto-estima, retraimento, tristeza e risco de suicídio. Em qualquer das fases existe, com freqüência, uma dependência do álcool ou outras substâncias com potencial de dependência. O distúrbio manifesta-se entre os 15 e 25 anos de idade e afeta tanto homens, quanto mulheres. A causa é desconhecida, mas fatores psicológicos e hereditários podem ter um papel importante, visto que, a incidência é mais elevada em familiares de pessoas com este transotorno.

Adição e espectro Bipolar

O álcool, a cocaína e o cannabis são substâncias comumente utilizadas e abusadas por pacientes bipolares, especialmente durante as fases de mania. Por outro lado, os transtornos de humor são as formas mais freqüentes de comorbidade com a dependência de substâncias. Episódios depressivos ocorrem com freqüência em diversas fases da história do uso de drogas na vida do indivíduo.

A alta prevalência de uso de substâncias psicoativas em pacientes com transtornos psiquiátricas tem recebido atenção cada vez maior por parte dos pesquisadores. Transtorno Bipolar e dependência de álcool, por exemplo, são doenças familiares com fatores genéticos implicados na sua etiologia. A relação genético-familiar entre ambas é controversa e tem sido estudado de forma insuficiente. Nos últimos anos, inúmeros pesquisadores têm demonstrado interesse crescente e destacado a relação entre Transtorno de Humor Bipolar e alcoolismo, num espectro muito mais amplo que uma simples comorbidade entre duas patologias psiquiátricas de importância no contexto social. O Alcoolismo tem se mostrado mais comum na população de pacientes com Transtorno de Humor Bipolar (THB) do que na população em geral.

Recentes estudos epidemiológicos têm mostrado convincentemente que os diagnósticos de Transtorno Bipolar e Alcoolismo ocorrem mais freqüentemente juntos do que o esperado pela chance. Por exemplo, o ECA, Epidemiological Catchment Area Study relatou em estudo multicêntrico uma taxa alta de comorbidade entre Transtorno Bipolar e Alcoolismo com razão de chance de ocorrência de 6.2, destacando que o Transtorno bipolar de humor é a patologia de Eixo I mais associada com Alcoolismo. As razões para esta alta prevalência de comorbidade permanecem obscuras. Maier em seu trabalho, mostra prevalência de 8,3% para Dependência ao Álcool. Entre os pacientes com Transtorno de Humor Bipolar, 40,6% apresentaram Abuso ou Dependência ao Álcool. A análise das características da co-ocorrência e co-transmissão do Transtorno de Humor Bipolar e Alcoolismo em famílias pode prover dados para o entendimento da alta comorbidade entre estas duas patologias na população geral, mostrando que estas representam a comorbidade mais prevalente entre os diagnósticos psiquiátricos de eixo I (CID-10 e DSM-IV).

Conclusões

Com base na literatura, pode ser feita a hipótese de que a bipolaridade é um fator de risco para o uso de substâncias e os transtornos relacionados a este uso. Weiss hipotetiza que pacientes bipolares usam substâncias psicoativas com o intuito de automedicar de seus sintomas de humor e que o abuso e dependência ao álcool pode precipitar ou perpetuar episódios de humor.
Os autores sugerem que a ciclotimia, o transtorno de personalidade borderline e anti-social, transtorno de conduta e o abuso de substâncias são transtornos que fazem parte de um substrato psicopatológico e genético comum, porém outros estudos são necessários a fim de se sedimentar esta hipótese.

Fonte: Site Álcool e Drogas sem Distorção (www.einstein.br/alcooledrogas)/Programa Álcool e Drogas (PAD) do Hospital Israelita Albert Einstein