fbpx

Reino Unido pede revisão de nova Lei sobre maconha

O Governo Britânico ordenou uma revisão de uma recente Lei que descriminaliza o consumo de cannabis em razão de novos relatórios médicos que alertam sobre seus efeitos nocivos para a saúde mental. O Ministro do Interior, Charles Clarke, pediu ao Conselho Assessor sobre o Abuso de Drogas que estude os novos dados, que vinculam o consumo da cannabis a certas psicoses, e reconsidere sua posição anterior.

Há quinze meses, o governo mudou a classificação da maconha, a incluindo entre as drogas menos nocivas (categoria C), seguindo precisamente as recomendações desse órgão. A posse de drogas da categoria C, que inclui os esteróides e alguns antidepressivos, não constitui delito ao contrário das de categoria B, como as anfetaminas, ou as da categoria A, como a heroína.

No entanto, um estudo realizado pelo Professor David Fergusson, da Universidade de Otago, na Austrália, que utilizou dados correspondentes a um período de 25 anos, indica que o consumo da cannabis multiplica por dois o risco de desenvolver doenças mentais como a esquizofrenia.

Outro relatório, do Professor Jim Van Os da Universidade de Utrecht na Holanda, assinala que o consumo inclusive moderado aumenta o risco de desenvolvimento de sintomas psicóticos nos jovens, que aumenta nos indivíduos especialmente predispostos a esse tipo de doença.

O relatório holandês, realizado com um universo de 2.437 pessoas de idades entre 14 e 24 anos, indica que a metade dos indivíduos que eram vulneráveis psicologicamente e fumavam maconha, desenvolveram sintomas psicóticos em um período de quatro anos, risco duas vezes superior ao observado entre os participantes do estudo, também vulneráveis psicologicamente, mas não consumidores da droga.

A oposição conservadora acusou o anterior Ministro do Interior, David Blunkett, de minimizar o perigo da cannabis e enviar aos adolescentes um sinal equivocado sobre os riscos do consumo de drogas. Clarke solicitou, além disso, aos especialistas que lhe assessorem sobre o perigo potencial de uma variante especialmente forte da cannabis conhecida no Reino Unido como “skunk”, que o governo holandês também estuda classificar como mais perigosa.

Autor: OBID
Fonte: EFE