Fumantes ativos e passivos precisam fazer exames periódicos após os 50

Fumantes ativos, passivos, ex-fumantes e pessoas com histórico familiar de câncer de pulmão fazem parte de um grupo de alto risco de terem a doença. Após os 50 anos, o exame deve ser feito com intervalos de um ou dois anos.

Segundo a Organização Mundial da Saúde – OMS, a incidência de câncer pulmonar aumenta 2% ao ano, mundialmente. No Brasil, em 2003, o Instituto Nacional de Câncer – Inca registrou 22 mil novos casos e mais de 16 mil mortes pela doença – que é causada, em 90%, pelo tabaco.

De acordo com Doutor Marcelo Secaf, radiologista da URP Diagnósticos Médicos, muitas pessoas negligenciam a saúde, deixando para procurar um médico somente depois dos primeiros sintomas. “Isso é um erro grave que pode comprometer as chances de cura do paciente, caso venha a se confirmar um câncer pulmonar”, diz.

Tumores de localização central costumam provocar tosse, ronco e falta de ar. Os que estão instalados no ápice pulmonar podem desencadear dores nos ombros e braços. Mas há um tipo de câncer silencioso, que não dá sinais. Esse, geralmente, está localizado em uma região mais periférica do pulmão, segundo o médico.

A tomografia computadorizada – TC é o exame mais recomendado nesses casos. Enquanto o raio-X permite ao radiologista ver os pulmões de frente e dos lados, a TC dá uma visão multifacetada de cima para baixo, permitindo que o técnico dimensione o volume do nódulo”.

“Vale lembrar que mesmo quando o exame não identifica nenhum nódulo, isto não quer dizer que o câncer pulmonar não possa vir a se desenvolver no futuro caso a pessoa continue a fazer parte do grupo de alto risco. Daí a importância de um controle periódico”, diz Secaf.

Quem deve se submeter a exames diagnósticos de pulmão?

Pessoas entre 50 e 80 anos que apresentem os seguintes fatores de risco:

1.Histórico de câncer pulmonar na família;

2.Fumantes;

3.Aqueles que fumaram um maço de cigarros por dia durante dez anos, ou dois maços ao dia em um período de cinco anos;

4.Quem parou de fumar há menos de dez anos;

5.Fumantes passivos (pessoas que convivem com fumantes, estando expostas à fumaça do cigarro constantemente);

6.Pessoas expostas a agentes químicos, como amianto, níquel, cromo, arsênico etc.

“Cerca de 80% dos casos de câncer pulmonar poderiam ser curados se fossem detectados em estágio inicial. Mas, talvez por desconhecimento ou negligência, essa taxa é de menos de 15%”, alerta o Doutor Marcelo Secaf.

Fonte: Instituto Nacional do Câncer – Inca