Encontrados resultados suspeitos em exames antidoping no Italiano

Em Roma (Itália)

Quatro dos controles cruzados de sangue e urina feitos até agora no Campeonato Italiano de futebol apresentaram valores hemáticos suspeitos, embora contra-provas não tenham confirmado o uso de Eritropoietina (Epo).

Estes dados estão em poder da Procuradoria de Turim, que há dez dias enviou um documento ao Ministério Italiano da Saúde afirmando que 30% dos exames antidoping de sangue e urina realizados durante o Italiano 2003-04 acabaram “inúteis” pela má conservação das amostras.

Os quatro jogadores que se submeteram voluntariamente aos testes após terem disputado uma partida tinham no sangue valores que requeriam, segundo os parâmetros, um controle suplementar de urina.

Ontem mesmo, a imprensa descobriu a documentação enviada pela Procuradoria ao Ministério da Saúde, na qual se apontava a inutilidade de 30% dos controles, já que as mostras não foram refrigeradas, por isso não é possível verificar nessas condições a possível existência de epo.

Segundo especialistas, para poder revelar a presença de epo é preciso que as mostras dos exames de sangue e urina sejam conservadas a um temperatura de -4 graus, o que as mantém em condições estáveis durante 24 horas.

Por outro lado, se as amostras permanecerem mais de 12 horas na temperatura ambiente, as chances de encontrar epo caem “significativamente”.
Fonte: EFE