Produção de cocaína explode na Bolívia e cai na Colômbia

A produção de cocaína explodiu na Bolívia em 2004, com um aumento de 35% em relação ao ano anterior, segundo um relatório da Organização das Nações Unidas – ONU apresentado em Bruxelas, que constata os bons resultados da luta contra esta droga na Colômbia, além de um aumento no Peru.

O cultivo de coca e a produção de cocaína nos países andinos registraram um leve aumento em 2004, de 2 e 3% respectivamente, em relação ao ano anterior, de acordo com o relatório 2005 da Agência contra as Drogas e o Crime da ONU – UNODC.

No entanto, estes números ocultam o dado mais significativo do texto: o impactante avanço da cocaína na Bolívia, onde os hectares cultivados aumentaram 17% e a produção em toneladas subiu 35% em 2004.

“Estamos muito preocupados com a situação na Bolívia, que precisa de ajuda da comunidade internacional para substituir os cultivos ilegais por atividades alternativas”, admitiu o Diretor da UNODC, Antonio Costa, ao apresentar o documento.

“A Bolívia está afetada há bastante tempo por uma crise doméstica, discriminação contra a população de origem indígena (que representa 75% dos pobres) e a incacapacidade do governo para manter o controle da situação”, lembrou Costa, ao comentar as causas do aumento na produção de cocaína nesse país.

Apesar da Bolívia ter registrado o crescimento mais significativo na região, o vizinho Peru também teve altas de cultivo e produção, com 14% a mais de hectares dedicadas à coca e 23% a mais de toneladas produzidas.

Neste contexto, a grande responsável por um aumento apenas leve no conjunto dos três países andinos foi a Colômbia, onde a luta contra as drogas (financiada em grande parte pelos Estados Unidos) parece estar dando frutos, segundo o texto da ONU.

O maior produtor de cocaína registrou uma queda pelo quarto ano consecutivo dos índices de cultivo e produção, -7% e -11% respectivamente. Em cinco anos, os hectares cultivados caíram de 160.000 a 80.000.

“Há alguns êxitos e alguns retrocessos. O problema da droga é um dos mais importantes no mundo e a única forma de lutar contra ele é trabalhando juntos”, afirmou a Comissária européia das Relações Exteiores, Benita Ferrero Waldner, que comandou a apresentação do relatório ao lado de seu colega da Justiça, Franco Frattini, e dos embaixadores dos países andinos na União Européia.

A co-responsabilidade da Europa (que consome um terço da cocaína produzida na América Latina) na luta para erradicar a droga tem sido um dos temas de discussçao entre a Comunidade Andina e a União Européia nas últimas reuniões entre os dois blocos.
Autor: Agência AFP
Fonte: OBID