Drama muda de camisa 10

No Dia dos Pais, droga tira Pelé da companhia do filho Edinho. Maradona se recupera e lança programa com presença do Rei

Márcio Mará

Ano passado, justamente nesta época, eram poucos os que acreditavam na recuperação de Diego Armando Maradona. Ainda dependente da cocaína, travava luta pela vida internado ora em Buenos Aires, ora em Cuba. Chegou a ser desenganado pelos médicos. Hoje, 40 quilos mais magro e aparentemente recuperado, estará na companhia das filhas Dalma e Giannina. O drama com as drogas acabou mudando de camisa 10. Pelé, o Rei do Futebol, terá um Dia dos Pais sem o filho Edinho. O ex-goleiro, detido desde 7 de julho no presídio de segurança máxima de Presidente Bernardes, acusado de envolvimento com tráfico de drogas, não estará com os outros irmãos no sítio em Juquiá, no Vale da Ribeira.
Pelé foi para lá, no meio da semana, com a mulher, Assíria, e os filhos gêmeos do casal, Joshua e Celeste. Ainda hoje, cedo, embarca para Buenos Aires, onde vai se encontrar justamente com Maradona. Amanhã, será a principal atração na estréia do programa comandado pelo astro argentino, La noche del 10 (A noite do 10), no Canal 13 de Buenos Aires.

Antes disso, na quinta-feira, a 605 quilômetros de São Paulo, Pelé foi, pela primeira vez, ao encontro do filho no presídio de Presidente Bernardes. Separados por um vidro, conversaram por interfone. Pelé quis ir na quinta-feira por causa da viagem a Buenos Aires. Disse que o filho lamentou estar longe no Dia dos Pais, mas saiu aliviado e confiante na absolvição de Edinho. Reação diferente à do choro convulsivo na TV ao falar da prisão do filho.

– Pelé havia sofrido um baque muito grande. Depois, acabou assimilando bem o golpe, e está muito confiante de que o filho será inocentado. Não houve flagrante no caso dele. Pelé está reagindo melhor agora, até porque é uma pessoa otimista – afirmou um dos maiores amigos do Rei, o diretor de cinema Aníbal Massaini, produtor do documentário Pelé eterno.

A reunião em família de Pelé no sítio inclui churrascos, pedalinho no lago, piscina e até totó – fora corrida e esteira feitas pelo Rei para manter a forma. As filhas Kelly Cristina e Jenniffer, do primeiro casamento, com Rose, normalmente estão em Nova York, onde residem. Uma das filhas reconhecidas de relação extraconjugal, a fisioterapeuta Flávia, também costuma aparecer por lá – a outra, Sandra Regina, não foi aceita por Pelé.

Os compromissos da enorme agenda dificultam os encontros com a família. Maradona viaja menos pelo mundo do que Pelé. Hoje, está abraçado às filhas Dalma e Giannina. Empolgado com o tratamento até aqui bem-sucedido contra as drogas, com o programa de TV do Canal 13 que estréia amanhã, o sucesso da cirurgia no estômago feita na Colômbia que o fez perder 40 quilos, nem lembra o Maradona de abril do ano passado.

Na época, sofreu crise cardíaca e pulmonar ocasionada pela cocaína e ficou 10 dias internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital argentino. Depois foi internado em clínica no interior da Província de Buenos Aires. Só conseguiu ir a Cuba se tratar após intensa batalha na Justiça argentina.

– Mas agora, na Argentina, Maradona vive uma ótima fase. Tirando o Boca Juniors, em que deve renunciar à vice-presidência, está muito feliz com a estréia do programa, e sente-se bem com o carinho do povo, que o idolatra nas ruas. Maradona é cultuado como deus na Argentina – disse o repórter Martin Vallerano, do diário Olé.

Não foi à toa que o título chamando para o programa diz que “o Deus vai receber o Rei”, numa alusão a Maradona e Pelé. Rivais que voltam a se aproximar por um drama em comum. Que só mudou de camisa 10.
Fonte:JB Online