Níveis baixos de álcool prejudicam fetos

Gestantes podem provocar danos permanentes em seus bebês mesmo ingerindo níveis baixos de álcool durante a gravidez, alertaram cientistas após um novo estudo.

Problemas sérios como dificuldade de aprendizados e anomalias físicas costumam ocorrer quando as mães bebem grande quantidade de álcool, especialmente a síndrome alcoólica fetal, mas os pesquisadores americanos afirmam que os estudos precisam agora enfocar os danos causados pela exposição do feto a baixos níveis de álcool, segundo o jornal Daily Mail.

O último estudo, publicado na revista científica Alcoolismo: Pesquisa Clínica e Experimental, confirma que a exposição a níveis moderados de álcool também afeta as funções cognitivas das crianças, como a memória e a capacidade de resolver problemas.

Os pesquisadores descobriram que as crianças levam mais tempo e tem menor eficiência para resolver questões, especialmente se envolve memória. O estudo avaliou 337 crianças afro-americanas, com idade de 7 anos, que foram expostas a moderado e alto nível de álcool durante a gestação.

As crianças conseguiam resolver problemas com memória, números e outras questões simples tão bem quanto os que não foram expostos ao álcool. Entretanto, quando as crianças eram pedidas a responder rapidamente enquanto ainda tinham que pensar sobre qual seria o resultado, a velocidade de resposta caiu dramaticamente,

“No passado, o foco dos estudos estava inteiramente na síndrome alcoólica fetal. Mais estudos recentes têm considerado os danos provocados pela exposição a baixos níveis. Este é um importante foco”, diz Julie Croxford, da Universidade de Wayne, em Detroit.

O Departamento de Saúde americano adverte que as mulheres que estão grávidas ou tentando engravidar não devem beber mais que 1 a 2 unidades de álcool por semana.
Autor: Redação Terra
Fonte: OBID