Estados Unidos anunciam campanha nacional contra a metanfetamina

Os Secretários de Justiça, Alberto Gonzales, e de Saúde, Michael Leavitt, assim como o Diretor da Política Antidrogas da Casa Branca, John Walters, apresentaram os detalhes da campanha contra a droga, fabricada de forma caseira a partir de remédios que são vendidos sem receita nos EUA.

Em entrevista coletiva na cidade de Nashville, eles explicaram que a meta do Governo é reduzir tanto a oferta como a demanda de metanfetamina.

Eles destacaram ainda, que foi possível reduzir drasticamente os superlaboratórios de produção de metanfetamina e que nos últimos três anos foram desmantelados uma média de 45, além de terem sido abertos 2.830 causas judiciais.

Walters anunciou a criação de um site para ajudar as agências sociais a solucionar o problema, e disse que nos próximos meses começará uma campanha nacional contra o consumo de metanfetamina. Ele afirmou ainda que os EUA assinaram acordos com Hong Kong – China, Panamá e México para vigiar o envio de produtos que possam ser usados na produção de drogas.

Leavitt disse que “o caminho à vitória é uma maior ação policial e a redução da demanda”, após explicar que o Governo destinou US$ 16,2 milhões à programas de prevenção do abuso de drogas em comunidades rurais.

Nos Estados Unidos, a metanfetamina era conhecida popularmente como “a cocaína dos pobres”, e restrita apenas a áreas rurais.

Segundo estatísticas oficiais, mais de 12 milhões de americanos tomaram metanfetamina alguma vez; desses, 1,5 milhão são consumidores freqüentes.

Em Nashville, a unidade de queimados do hospital da Universidade Vandervilt oferece tratamento a vítimas de incêndios e explosões causadas durante a elaboração da droga em laboratórios clandestinos.

Em um dos casos, e para mostrar o custo dessas drogas, o tratamento recente de um destes pacientes chegou a US$ 500.000.

A nova campanha das autoridades federais para prevenir o tráfico de metanfetaminas coincide com as medidas iniciadas por alguns estados para diminuir este problema.

O Governador do Oregon, Ted Kulongoski, promulgou na última terça-feira,16/08, uma lei estatal (a primeira do país) que exige a apresentação de uma receita médica para obter remédios comuns contra gripe ou alergias que contenham pseudoefedrina, principal ingrediente usado na elaboração de metanfetamina.

O Oregon e outros estados exigem que os consumidores apresentem um documento de identidade e assinem uma declaração antes de comprar este tipo de remédio nas farmácias.

O Congresso americano estuda também um projeto de lei que, se aprovado, colocaria restrições à venda de remédios com pseudoefedrina.
Autor: Agência EFE
Fonte: OBID