Violência cai em cidades com Lei Seca – SP

Os municípios paulistas que já adotaram medidas de restrição à bebidas alcoólicas, vibram hoje com os resultados: houve redução dos homicídios e acidentes no trânsito.

Barueri – SP, foi a primeira cidade a implantar a Lei Seca no Estado, em 2001, obrigando os bares a fechar às 23h e, nos finais de semana, às 2h. Na década de 90, estava entre as três mais violentas da Grande São Paulo. Logo após a implantação da Lei e de outras ações, conseguiu reduzir em 4% os acidentes de trânsito e em 60% os homicídios – e já não figura entre as dez mais violentas. Hoje, dos cerca de 4.000 bares, 50 a 60 têm licença para funcionar além da hora permitida. Ela só é dada se bar não estiver perto de escola, dentro de um bolsão de violência ou não perturbar a ordem.

O Secretário de Comunicação de Barueri, João Palma, diz que está sendo feito um levantamento, na rede hospitalar, sobre a presença do álcool nos atendimentos. Hoje 01/09, inclusive, Barueri assina um termo de cooperação com Santana do Parnaíba para desenvolver campanhas e ações de redução de consumo de álcool e outras drogas. “A Lei Seca serviu para determinar uma nova cultura de procedimento dos órgãos de segurança. Dá uma folga ao policial que é solicitado a resolver conflitos nos bares para se voltar a outras ações”, diz. Ele cita que a cidade, hoje, consegue elucidar 96% dos crimes de morte.

Diadema seguiu o exemplo em 2002 e reduziu, em três anos, 59% dos homicídios – em 2001, cerca de 60% destes crimes ocorriam das 23h às 6h e próximo a bares. Era tida até como a cidade mais violenta do mundo em 1999 e hoje também não está na lista das dez mais do Estado. Mauá, outra que a adotou a Lei Seca em 2002, reduziu os homicídios em 14%.
Fonte: Jornal da Tarde – SP