fbpx

Aumenta número de adolescentes e mulheres no tráfico de drogas

Aumenta a participação de mulheres, crianças e adolescentes no tráfico de drogas na Grande Cuiabá, segundo levantamentos das polícias Federal, Militar e Rodoviária Federal. De acordo com informações da Polícia Federal (PF), também têm sido surpreendentes os meios encontrados pelos traficantes para burlar a fiscalização. O meio mais utilizado pelas mulheres tem sido o carregamento de drogas dentro da vagina, mas também houve casos de apreensão, nesse ano, onde a droga estava dentro de mandioca e mamão. De 1º de janeiro a 12 de outubro desse ano somente a PF indiciou 194 pessoas por tráfico. Desse total mais de 70 são do sexo feminino, o equivalente a quase 40% dos envolvidos.
Um dos sérios problemas alegado pelas instituições diz respeito ao efetivo feminino, pois de acordo com informações da PF nem sempre há disponibilidade de policiais do sexo feminino para realizar as revistas nas suspeitas e em alguns casos, de acordo com a assessoria da PF, é preciso transportar a mulher, até a superintendência, na capital, para que possa ser revistada.

Conforme a assessoria, esse fator acaba por propiciar a facilidade de transporte de drogas por mulheres. No caso de adolescentes e crianças, eles são encaminhados aos órgãos responsáveis ou delegacias especializadas para as providências.

Segundo a assessoria da PF, desde quando foi aprovada a lei que dá direito ao abate de aviões sem identificação aumentou muito o tráfico terrestre em Mato Grosso, por isso tem sido mais difícil apreensões como aconteciam algum tempo atrás, de aeronaves com grande quantidades de drogas.

De acordo com informações da PF, apesar da assídua atuação do Grupamento Especial de Fronteira (Gefron), os traficantes vivem inovando para burlar a fiscalização. No entanto, nas vezes que houve tentativas de trazer drogas, usando alimentos, da Bolívia para o Brasil, via Cáceres, a desconfiança é imediata, pois fica muito evidente, segundo o policial da PF. “Se aqui tem de sobra, como vai trazer mandioca da Bolívia?”, questionou. Como as mulheres são menos propensas às investigações, começaram a ser usadas para o tráfico. A média de drogas que uma mulher transporta na vagina varia de 400 a 500 gramas.
Autor: Gleid Moreira
Fonte da Matéria: Reportagem local