Cidades americanas incentivam proibição do tabaco nas ruas

Mais de 2 mil cidades americanas, entre elas Nova York, proíbem que os fumantes consumam cigarros em locais públicos fechados, como bares, restaurantes e escritórios, o que obriga muitos deles a irem à rua.

Mas alguns estados decidiram tornar o regulamento contra o tabaco mais rígido. É o caso de Washington, que submeteu à votação ontem, 02/11, uma lei que proíbe que as pessoas fumem na rua a menos de oito metros da porta ou das janelas de um edifício.

“É irracional e mesquinho”, protestou na edição desta quarta-feira, 03/10, do jornal Seattle Times o colunista Bruce Ramsey, defensor do direito de os fumantes terem seus próprios espaços e poderem fumar ao ar livre.

“Uma sociedade livre requer uma certa tolerância”, afirmou o jornalista, que considera que a nova Lei “extingue a diversidade, apaga a capacidade de decisão e elimina a liberdade”.

A Lei prevê multas de US$ 100 para quem descumpri-la.

Mas Washington não é o único estado a fechar o cerco aos fumantes. Neste mês de novembro vários municípios do Alabama, de Ohio e de Indiana devem adotar medidas para proibir o consumo do tabaco na rua, perto dos edifícios, a distâncias que vão de três a oito metros.

Em West Lafayette, em Indiana, a proibição se estende aos pontos de ônibus e caixas automáticos. Na Califórnia, não é permitido fumar em várias praias, especialmente em Orange County, onde a proibição afeta todo o litoral. Além disso, em uma das grandes cidades do estado, São Francisco, não se pode consumir tabaco nos parques públicos desde 1º de julho. Em Iowa, a proibição de fumar nos hospitais se estende também à área do estacionamento, mesmo se o fumante estiver dentro de seu carro.

Este tipo de medida foi contestado por associações de fumantes e pelas próprias empresas de tabaco, que temem uma perda nos lucros e o fechamento de postos de trabalho. Os bares e restaurantes também reclamam, e alegam uma queda na atividade.

Mas a Fundação para os Direitos dos Americanos não Fumantes é contundente ao afirmar que estes prejuízos econômicos não aconteceram.

“A proibição de fumar em Nova York foi um sucesso assombroso para a saúde e para os negócios”, afirmou a Fundação em seu sítio, apresentando como argumento uma pesquisa do guia de restaurantes Zagat segundo a qual 60% dos entrevistados afirmam que iriam menos a restaurantes se não estivessem livres da fumaça.

Mas as organizações que reúnem os fumantes estão desesperadas com a proliferação de leis contra o tabaco impulsionadas pelas prefeituras.

“Uma epidemia de leis antitabaco está se espalhando por todo o país sob a pretensão de proteger as pessoas de serem fumantes passivas”, afirmou Robert W. Tracinski, da organização SmokingLobby.com.
Autor: Agência EFE
Fonte: OBID