Controle do tabaco entre jovens do Brasil e da América Latina é discutido

Começou nesta quarta-feira, 30/11, o Seminário Internacional de Estudos Qualitativos para o Controle do Tabaco na América Latina. O encontro, coordenado pelo Instituto Nacional de Câncer – INCA, vai até o dia 2/12 e discute qual é a contribuição que os estudos qualitativos podem oferecer para a vigilância do tabagismo em jovens. O evento servirá também para colocar em debate um protocolo de pesquisa que orientará um estudo qualitativo sobre o hábito de fumar em estudantes do Brasil, México, Peru, Bolívia, Paraguai e Argentina.

O Seminário é a primeira de uma série de atividades que serão promovidas pelo Centro de Excelência para Treinamento em Pesquisas e Controle do Tabaco na América do Sul. O Centro foi criado a partir de um acordo de cooperação técnica: de um lado, o INCA e a Fundação Ary Frauzino para Pesquisa e Controle do Câncer; de outro, o Institute for Global Tobacco Control Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health e a Fogarty International Center do National Institute for Health, ambos nos Estados Unidos.

Um dos objetivos do Centro de Excelência é formar uma rede de profissionais envolvidos no controle do tabaco no Brasil, América do Sul e países de língua portuguesa, bem como capacitar recursos humanos para realizar pesquisas e desenvolver novas metodologias de avaliação.

Outra finalidade é garantir que as medidas estabelecidas pela Convenção Quadro para o Controle do Tabaco se cumpram de maneira mais uniforme. “A América Latina e os países de língua portuguesa estão em diferentes estágios no controle do tabagismo. Para equipará-los, é preciso capacitar recursos humanos que orientem, definam estratégias e analisem os efeitos das ações antitabagismo”, explica Gulnar Mendonça, Coordenadora de Prevenção e Vigilância do INCA.

Para o Professor Moyses Szklo, o INCA, assim como a Institute for Global Tobacco Control Johns Hopkins Bloomberg School, da qual faz parte, tem um papel de destaque na geração de conhecimento e na condução de políticas de controle do tabagismo. “A criação do Centro de Excelência poderá ser o passo decisivo no avanço do conhecimento, no apoio à consolidação de políticas de controle e, conseqüentemente no cumprimento da Convenção Quadro na América Latina e países lusofônicos”, completa.

A iniciativa conta ainda com o apoio da Secretaria de Vigilância à Saúde do Ministério da Saúde e da Organização Pan-americana da Saúde – OPAS da qual o INCA é centro colaborador no programa Tabaco ou Saúde.
Fonte: Assessoria de Imprensa do INCA