Crianças expostas a cigarro podem ter mais cáries

As crianças pequenas que são expostas a fumaça dos fumantes têm um índice maior de cáries dentais que os que não estão expostos a esta substância nociva, de acordo com um relatório divulgado hoje, 12/01, nos Estados Unidos.

O estudo da Agência para a Investigação e Qualidade da Atenção da Saúde – AHRQ, é o primeiro dos EUA que estabelece uma relação entre a fumaça dos fumantes e as cáries dos fumantes passivos, um problema de saúde que custa aproximadamente US$ 4,5 bilhões ao ano.

As cáries nas crianças também são mais evidentes entre as famílias pobres e que têm menos acesso aos serviços dentários, afirma o estudo publicado no Journal of the American Medical Association.

Utilizando dados e exames médicos feitos em quatro mil crianças de 4 a 11 anos de idade, o estudo descobriu que as crianças tinham maior risco de cáries se apresentassem níveis altos de cotinina, um derivado da nicotina que indica a exposição à fumaça dos fumantes.

Aproximadamente 32% das crianças com níveis significativos de cotinina tinham cáries nas superfícies de seus dentes de leite, comparado com 18% das crianças com níveis mais baixos de cotinina.

O maior risco de cáries nas crianças expostas ao tabaco persistiu depois que outros fatores foram controlados, tais como a pobreza e a freqüência de suas visitas ao dentista.

Pesquisas anteriores mostraram que a nicotina promove o crescimento de bactérias que podem causar as cáries, por isso quando as mães ou outros que fumam beijam as crianças, poderiam estar passando esses germes.

Conforme o autor principal do estudo, Andrew Aligne, de Pediathink, um grupo de especialistas sobre a saúde infantil em Rochester, Nova York, os resultados oferecem mais provas que o consumo passivo da fumaça do tabaco é prejudicial e que se deve exigir que todas as crianças cresçam em um ambiente livre de fumaça.
Autor: Inca
Fonte: OBID