Consumo de álcool causa mais câncer do que se pensa, diz estudo

Pesquisadores concluem que quanto mais álcool se consome, mais alto é o risco de desenvolver câncer

O consumo de bebidas alcoólicas é uma importante causa de vários tipos de câncer, junto com o tabagismo e infecções crônicas, disseram pesquisadores na segunda-feira, dia 30/01.

O consumo excessivo de álcool eleva o risco de câncer de boca, laringe, esôfago, fígado, cólon e mama. Também pode estar ligado aos cânceres de pâncreas e de pulmão. “O álcool é subestimado como causa do câncer em muitas partes do mundo”, disse Paolo Boffetta, da Agência Internacional para a Pesquisa sobre o Câncer – Iarc, em Lyon, na França.

“Uma proporção considerável do câncer hoje em dia é decorrente do consumo de álcool, e isso está aumentando em muitas regiões, especialmente no leste da Ásia e no Leste Europeu”, afirmou ele numa entrevista. Boffetta e Mia Hashibe, que revisaram pesquisas sobre a ligação entre o álcool e o câncer, concluíram que, quanto mais álcool se consome, mais alto é o risco de desenvolver câncer.

Os pesquisadores recomendaram que as pessoas bebam com moderação, em vez de abolir totalmente as bebidas alcoólicas, por causa de seus benefícios de proteção contra doenças cardiovasculares. “A abstenção total de álcool, embora seja ideal para o controle do câncer, não pode ser recomendada em termos de uma perspectiva ampla de saúde pública, em particular nos países com alta incidência de doenças cardivasculares”, disse Boffetta num trabalho publicado na revista The Lancet Oncology.

Os cientistas afirmam que homens e mulheres devem limitar seu consumo de álcool, de modo a aproveitar os benefícios e evitar os perigos ao mesmo tempo. “A versão mais recente do código europeu contra o câncer recomenda a manutenção do consumo diário em dois drinques para homens e um para mulheres”, disse Boffetta.

Nos países desenvolvidos, em 2000, a Organização Mundial da Saúde – OMS estima que o álcool tenha causado 185 mil mortes de homens e 142 mil de mulheres, mas que tenha evitado 71 mil mortes de homens e 277 mil mortes de mulheres. Nos países em desenvolvimento, onde há menos casos de doença cardiovascular, o álcool foi ligado a 1,52 milhão de mortes de homens e a 301 mil de mulheres.

Os cientistas concluíram que as doenças ligadas ao álcool são um problema de saúde na Europa central e no Leste Europeu. “O álcool é provavelmente o principal fator responsável pelo risco aumentado de câncer de cabeça e pescoço registrado em vários países, principalmente na Europa central e do leste”, disse Boffetta.

Ainda não está claro exatamente como o álcool eleva o risco de desenvolver câncer, mas a suscetibilidade genética é um componente importante. “Devido à relação dose-resposta linear entre o consumo de álcool e o risco de câncer, o controle do consumo excessivo permanece sendo o maior alvo para o controle do câncer”, acrescentou o cientista.
Fonte: OBID