Hábitos de sono, sonolência e acidentes de caminhoneiros

O sono é um processo biológico necessário à sobrevivência. Pessoas com distúrbios relacionados ao sono podem ser afetadas por estresse psicológico, ter reduzida a produtividade escolar e no trabalho, e aumentar os riscos de sofrer acidentes. Os distúrbios do sono, associados ao turno de trabalho, ao longo tempo dirigindo, além do uso de álcool e outras drogas, são fatores que associados podem causar acidentes automotivos. No Brasil, estatísticas do Ministério dos Transportes mostram que, dos cerca de 7 mil acidentes fatais em 2003, 2.372 foram provavelmente causados por “falta de atenção”; dos quais 80 mortes foram provavelmente causadas por sonolência.

Assim, o propósito de estudo publicado nos Arquivos de Neuropsiquiatria foi avaliar a qualidade do sono, os turnos de trabalho, o consumo de álcool e psicoestimulantes, e a prevalência de acidentes entre caminhoneiros brasileiros.

A amostra da pesquisa foi composta por 260 caminhoneiros, que estavam trabalhando a quinze dias em rodovias federais do Mato Grosso do Sul. Foi aplicado um questionário, que analisou os seguintes fatores: a qualidade, a quantidade e os hábitos de sono dos caminhoneiros nos dias de trabalho e de folga, o turno de trabalho, a ocorrência de distúrbios de sono, uso de álcool e drogas psicoestimulantes, e a prevalência de acidentes nos últimos cinco anos.

Os resultados encontraram que 43,2% dos caminhoneiros dirigiam mais que 16 horas por dia; e 2,9% faziam trabalho por turnos. A média de horas de sono foi 5,97, sendo que 23,8% dormiam menos de 5 horas por dia. 50,9% faziam uso de bebida alcoólica, 95,6% usavam cafeína e 11,1% anfetaminas. O uso de maconha, opióides (substâncias sintéticas ou não, com ação semelhante à do ópio), e benzodiazepínicos (medicamentos para redução da ansiedade) não foi relatado. Vinte três admitiram adormecer dirigindo mais de 3 vezes por semana (11,1%). Nos últimos cinco anos, 13,1% dos motoristas entrevistados estiveram envolvidos em acidentes, 5 com feridos e 3 com mortos.

O estudo concluiu que todos os motoristas entrevistados tinham hábitos de vida e trabalho que afetavam negativamente seu estado de consciência e a qualidade de seu sono. Foi alta a prevalência de distúrbios do sono, uso de álcool e estimulantes, e de acidentes. Os resultados apontam para a urgente necessidade do desenvolvimento de programas e campanhas preventivas, e do aumento de controle pelas autoridades.
Fonte: OBID