Droga pode evitar danos do álcool a fetos, diz estudo

Uma pesquisa da Universidade Cornell, nos Estados Unidos, identificou uma droga que pode ser usada para diminuir os danos causados aos bebês cujas mães bebem muito durante a gravidez.

Pesquisadores descobriram que a droga chamada nicotinamida – usada para tratar de doenças auto-imunes – ajudou a proteger os ratos da Síndrome do Álcool Fetal – SAF.

A condição está associada a problemas como o crescimento anormal e retardo mental da criança. Não existe um tratamento para essa síndrome.

O estudo foi publicado na revista científica Public Library of Science Medicine.

Ratos

A SAF é a causa mais comum de retardamento mental por razões não-genéticas.

O álcool prejudica a formação e sobrevivência das células nervosas do cérebro dos fetos, principalmente nos últimos três meses de gravidez e nos primeiros anos de vida, período de grande desenvolvimento do cérebro.

Os cientistas injetaram em ratos, logo após o nascimento, doses de álcool semelhantes às que um feto seria exposto durante uma bebedeira da mãe.

A dose matou células cerebrais dos ratos e levou a anormalidades de comportamento quando os animais se tornaram adultos.

Entretanto, quando os pesquisadores injetaram nicotinamida duas horas após administrar a dose de álcool, o número de células cerebrais que morreu foi bem menor e os animais não desenvolveram problemas de comportamento.

O estudo sugere que, caso a mulher grávida tome nicotinamida pouco após ingerir álcool, os danos aos seus bebês poderiam ser minimizados.

Os pesquisadores disseram, porém, que seu trabalho ainda está em estágios iniciais e que muitos testes ainda terão de ser realizados antes que fique pronto um tratamento para uso em humanos.
Fonte: BBC Brasil