fbpx

Secretário Nacional Antidrogas elogia o Conen Acre

O Secretário Nacional Antidrogas, General Paulo Roberto Yog de Miranda Uchôa, parabenizou o Conselho Estadual de Entoporcentes do Acre, colegiado que colabora na definição das políticas de prevenção ao uso de substâncias químicas ilícitas. Paulo Roberto reuniu-se na tarde desta terça-feira, 07/03, com o Governador Jorge Viana e o Secretário de Segurança, Antonio Monteiro, quando apresentou sua agenda no Acre. O Juiz Federal Jair Facundes participou do encontro.

Yog coordena nesta quarta e quinta-feira em Rio Branco o seminário que irá definir os integrantes do Grupo Multidisciplinar de Trabalho criado em 4 de novembro de 2004, para discutir os diferentes aspectos relacionados ao uso da ayahuasca no Brasil. Esse grupo será composto por doze membros, sendo seis especialistas indicados pelo Conselho Nacional Antidrogas – Conad e seis representantes dos grupos religiosos usuários da ayahuasca. O Acre reúne grande número desses grupos.
O seminário acontecerá na Secretaria de Educação e Cultura do Estado sob a Coordenação da Câmara de Assessoramento Técnico-Científico do Conad com o apoio do Conselho Estadual de Entorpecentes do Acre. A Diretora de Prevenção e Tratamento da Secretaria Nacional Antidrogas – Senad, Paulina do Carmo Arruda Vieira Duarte, participa do seminário.

O Conad, de acordo com o Secretário Nacional, busca meios de regulamentar o uso religioso do ayahuasca. O Governador Jorge Viana concordou com a possibilidade de uso indiscriminado do chá, resultado da infusão do cipó chacrona com a folha Rainha. O General apresentou ao Governador um exemplar do livro “Política Nacional Sobre Drogas”, obra que, segundo ele, demonstra o esforço do Governo em enfrentar com objetividade a questão das drogas. O Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de acordo com ele, manteve o programa adotado governo anterior, e mais tarde realizou um realinhamento desse programa, atualizando-o às propostas da atual gestão.

Uchôa comentou a grande dificuldade que o País enfrenta com suas fronteiras –“são mais de dez países em fronteira com o Brasil, caso raro no mundo”. “O Brasil faz fronteira com os três maiores produtores de cocaína do mundo – Colômbia, Bolívia e Peru – e com o maior produtor de maconha, o Paraguai. Além de uma grande entrada, temos também uma grande saída: são mais de 6 mil quilômetros de território costeiro”, disse, ao expor a dimensão dessa dificuldade. Contudo, afirma, a Polícia Federal vem cada vez mais realizando apreensões. “Em 2004, foram 7 toneladas de cocaína e no ano seguinte foram 15 toneladas. As pessoas podem falar: é por que o tráfico aumentou? Não, a policia está vigilante e atuante”.
Fonte: Pagina20 on-line