Fumantes regulares têm mais chances de precisar de tratamento dentário

O homem que fuma cigarro regularmente tem duas vezes mais chance de fazer um tratamento odontológico de canal, que um homem que nunca fumou. Essa é a conclusão de estudos feitos nas últimas três décadas. Os riscos do fumante de cigarro aumentam conforme diminuem os períodos de abstinência ao longo dos anos.

Fumantes de cigarro e cachimbo, embora estejam ligados a problemas odontológicos e perda de dentes, não estão associados com a necessidade de fazer o tratamento de canal, informa uma pesquisa publicada na edição que vai até abril do Journal of Dental Research. A pesquisa está apresentada neste artigo com o apoio da American Medical Associationa and the American Dental Association.

No estudo foram avaliados dentes de 811 homens que foram observados desde os dois aos 28 anos de idade. O tratamento de canal precisou ser feito em 385 pacientes.
A análise dos riscos para a necessidade do tratamento de canal nos dentes apontou riscos para fumantes regulares. De qualquer forma, para o usuário regular de cigarro e cachimbo, o risco foi similar aos que nunca fumaram.

Longos períodos fumando fazem a diferença. Em homens que tinham parado de fumar a menos de nove anos, a necessidade do tratamento de canal foi duas vezes maior que a necessidade para aqueles que nunca tinham fumado. Mas entre homens que tinham deixado de fumar a mais de nove anos, os riscos foram similares aos não fumantes.

Entre os fumantes regulares, os riscos aumentaram 1.2 vezes com períodos de fumo de quatro ou menos anos. Os risco passaram para 2.2 vezes se o fumante tiver fumado por mais de 12 anos, dizem os pesquisadores. Ou seja, os riscos aumentam conforme os anos de uso de cigarro.

O fumo prejudica a resposta do corpo para infecções, aumenta a perda de osso do esqueleto, induz uma resposta crônica do sistema inflamatório e causa problemas vasculares, afirmam os pesquisadores.

Qualquer um desses caminhos pode afetar na saúde da cobertura do dente e tecido do osso. A primeira infecção bacterial começa na cobertura e envolve o tecido, diz a Dr. Krall. “Fumantes tem dificuldade de limitar os danos”, conclui.

Segundo a pesquisadora, o estudo continha certas limitações. Contudo, o uso de cigarro e o cachimbo não foram relacionados ao tratamento de canal, doenças odontológicas e perda significativa de dentes. Isso e possível porque existe a dificuldade de verificar no pequeno número de usuários de cachimbo e cigarro a quantidade fumada, afirma a Dra. Krall. Os riscos foram estimados com base em um percentual mínimo de fumantes com cerca de cinco anos de exposição.

Outra limitação do estudo foi o pequeno número de minorias e a ausência de mulheres. “Pode-se esperar para ver o risco do fumo e tratamento de canal em mulheres e em outros grupos étnicos”, disse Dra. Krall. No entanto, o risco absoluto pode diferir e ser melhor relatado se aliada a exposição ao cigarro às características demográficas.

Referência:

Krall, Elizabeth A, et al, “Cigarette Smoking Increases the Risk of Root Canal Treatment”

Fonte : The Journal of Dental Research, April 2006; online www.ama-assn org/go/briefings