Hábito de fumar maconha pode prejudicar a capacidade intelectual

Pessoas que fumam maconha regularmente podem experimentar lapsos de memória ao longo do tempo, sugere uma nova pesquisa publicada na última edição da revista científica “Neurology”.

Em um longo estudo com usuários antigos e recentes da droga, pesquisadores gregos verificaram que ambos os grupos tiveram se saíram mal em testes de memória, atenção e outras habilidades cognitivas, em comparação a pessoas que apenas ocasionalmente tinham consumido a droga.
Os usuários antigos – que fumavam quatro ou mais cigarros de maconha por semana, há pelo menos dez anos – apresentaram o maior déficit.

Os resultados foram somados ao corpo de pesquisas contraditórias sobre os efeitos da maconha no cérebro. Enquanto muitos estudos sugerem que o uso por longo período da droga prejudica a memória, a atenção e a acuidade mental, outros afirmaram que não haveria nenhuma grande diferença nestas habilidades entre usuários e não-usuários da droga.

Para o autor do recente estudo, Lambros Messinis, um importante problema é a dificuldade, durante os estudos, “de estabelecer uma relação absoluta de causa e efeito entre maconha e déficit cognitivo”.

Embora os pesquisadores considerem diversas variáveis – como educação, uso de outras drogas e a presença de depressão clínica – é complicado controlar todos os fatores que podem fazer os consumidores freqüentes de maconha responderem aos testes de forma diferente das outras pessoas, afirmou Messinis.

Entretanto, Messinis e sua equipe afirmam que os resultados do presente estudo estão em linha com diversos estudos prévios que relacionam o hábito de fumar maconha a déficits “sutis” na capacidade intelectual.
Fonte: Viver Melhor