Escoceses terão de fumar fora dos pubs

A Escócia torna-se a primeira região da Grã-Bretanha a proibir o fumo em restaurantes, bares e locais de trabalho, em meio a esforços para melhorar seu desempenho na área da saúde pública e deixar de ser conhecida como o “homem doente da Europa”.

Autoridades dizem que a proibição de acender um cigarro em locais públicos fechados, inspirada em medida semelhante adotada pela Irlanda e por outros países nos últimos anos, impedirá, todos os anos, a morte de mil pessoas vitimadas pelo fumo passivo.

“A Escócia tem uma taxa maior de doenças do coração, de câncer e de derrames do que a maior parte dos outros países europeus”, disse o Primeiro-Ministro Jack McConnell, Chefe do Governo Escocês.

“Era hora de adotarmos uma ação drástica a fim de mudar essa situação nas gerações futuras”, disse McConnell na sexta-feira, dia 24/03.

Pesquisas mostram que mais de 60% dos moradores da Escócia são favoráveis ao plano. Mas cerca de 30% dos habitantes da região fumam e apenas um quarto deles dá apoio à medida, que entrou em vigor no domingo, dia 26/03.

Alguns vêem nela um ataque contra o estilo de vida tradicional da classe trabalhadora que formou a espinha dorsal da sociedade escocesa. Os donos de pubs também estão insatisfeitos, temendo que seus clientes optem por ficar em casa depois de serem proibidos de fumar nos bares.

“Para um homem normal, um cigarro e uma cerveja caminham de mãos dadas”, disse, entre uma tragada e outra, Peter Crukshank, Proprietário de um pub em Edimburgo.

“Neste momento, aqui, eu tenho oito clientes”, afirmou, correndo os olhos pelo local fumacento. “Todos são fumantes.”

No bar, John Reid, um ex-soldado com tatuagens nas mãos e nos braços, afirmou que a nova medida o impediria de aproveitar um dos pontos altos de seu dia.

“Acho que essa medida é exagerada. Eu venho aqui todos os dias para tomar alguma coisa e fumar”, contou, com um cigarro entre os dedos. “Esses são meus únicos prazeres: uma bebida e um cigarro”.

Cigarro a céu aberto

Alguns clientes disseram que passariam a freqüentar os pubs com menor freqüência. Outros, que continuariam a vir e que sairiam um pouco para fumar – apesar de a Escócia ter um clima conhecido por ser frio e chuvoso.
Legisladores na Inglaterra, a nação dominante da Grã-Bretanha, concordaram em fevereiro deste ano, em seguir o exemplo da Escócia e introduzir uma Lei semelhante no próximo ano.

Especialistas da área de saúde na Escócia estão determinados a mudar o estilo de vida de pessoas que fumam e bebem muito, comem alimentos gordurosos e não praticam exercícios físicos, estilo de vida esse responsável por abreviar a vida de muitos escoceses.

Ao mesmo tempo em que esperam ver a lei incentivando algumas pessoas a abandonar o cigarro, os especialistas dizem que a proibição visa principalmente proteger a saúde de pessoas como funcionários de bares contra o perigo do fumo passivo, que provoca câncer de pulmão, doenças no coração e derrames.

“Trata-se de uma questão bastante clara de saúde pública. Sabemos que isso provoca males à saúde e esses danos são mensuráveis”, disse Sally Haw, da agência de saúde pública da Escócia.

As pessoas fumam mais e morrem mais cedo na Escócia do que em outras regiões da Grã-Bretanha. A expectativa de vida ali é menor do que a média da União Européia -UE, e isso apesar de a Grã-Bretanha ser um dos membros mais ricos do bloco e a quarta economia mundial.
Especialistas oferecem vários motivos para esses problemas, desde a presença de indústrias pesadas na região, no passado, até a pobreza que ainda atinge áreas da Escócia hoje.
Autor: UOL Notícias
Fonte: OBID