Organização Mundial da Saúde oferece 10 mil dólares a quem deixar de fumar

Abandonar a dependência do fumo faz bem para saúde e para o bolso. É o que pensa a Organização Mundial da Saúde – OMS, que reedita anualmente, com apoio do Instituto de Saúde Pública da Finlândia, a campanha “Abandone e Ganhe”.

Na expectativa de faturar prêmios de até US$ 10mil (cerca de R$ 22 mil), pessoas em 90 países são estimuladas a largar o cigarro durante um mês. Para participar, é preciso preencher um cupom junto às autoridades nacionais de saúde e esperar o sorteio no final de maio, do qual sairão os “sortudos” que farão exames para comprovar a ausência de nicotina no organismo.

Dez países da América Latina estão cadastrados no programa, mas o Brasil ficou de fora. A Chefe da Divisão de Controle do Tabagismo do Instituto Nacional do Câncer – Inca, Tânia Cavalcante, explicou que o programa brasileiro está focado em questões macropolíticas, como elaboração de leis relacionadas à publicidade de cigarro e aos locais de fumo, para que o fumante consiga largar a dependência de forma contínua.

“A Abandone e Ganhe é uma campanha que tem sido usada para introduzir o tema na agenda de saúde dos diversos países. Como no Brasil a gente já avançou bastante, em termos de Ministério da Saúde, não priorizamos esse tipo de iniciativa, que é pontual”, explicou. Mas se o Brasil tem “outras prioridades”, o mesmo não se pode dizer dos argentinos, que a cada ano participam em maior número.

Em edição recente, o jornal Clarín destacou que o governo quer bater o número de inscritos do ano passado, 35,8 mil pessoas, e vem dando ampla publicidade à campanha por meio de seu programa nacional contra o tabagismo. Para estimular a participação, além da disputa pelos prêmios mundial (US$ 10mil, para apenas uma pessoa sorteada em todo o mundo) e regional (US$ 2,5 mil para um sorteado em cada país), pagos pela OMS, serão oferecidas viagens a Bariloche e outras regiões turísticas.

A importância da campanha foi comprovada em pesquisas posteriores, que constataram que 17% dos inscritos continuaram sem fumar após o fim da promoção. A Organizadora da campanha na Finlândia, Marjo Pyykönen, disse que em 2004 cerca de 700 mil pessoas em 71 países participaram da promoção. A expectativa neste ano é de que o número chegue a 1 milhão. “Há cerca de 1,1 bilhão de fumantes no mundo e entre 70% e 80% deles querem parar”, garante. Ela explica que a campanha tem um método próprio. “Todo participante tem de ter uma testemunha que relate que o candidato fuma diariamente há pelo menos um ano. Muitos tentaram várias vezes, mas lhes falta algum suporte”, disse Marjo.

O tabagismo é considerado pela OMS a principal causa de morte evitável em todo o mundo, alcançando 4,9 milhões de vítimas por ano.
Fonte: Correio Braziliense