Fumaça do tabaco dentro de casa é a principal causa de problemas respiratórios

Artigo publicado pelo Caderno de Saúde Pública analisou fatores associados às enfermidades respiratórias de crianças até 5 anos.

As doenças matam cerca de 10 milhões de crianças por ano Bronquite, asma e rinite são alguns dos mais freqüentes distúrbios respiratórios que atingem crianças. Juntos, problemas como esses são a principal causa de morte em crianças de até cinco anos em todo o mundo. Recentes cálculos globais revelam que 10 milhões de meninas e meninos morrem anualmente vítimas de doenças respiratórias. No Brasil, essas enfermidades também são grandes responsáveis pela mortalidade de crianças.

Entre os fatores de risco para desenvolvimento desses males estão a má ventilação da casa, a alimentação, os pêlos de animais e odores fortes como o de perfumes. Mas, o principal vilão das crises que assustam muitos pais e lhes tiram noites de sono é o tabagismo, principalmente o da mãe.

A fumaça domiciliar do tabaco é o poluidor mais comum do ar doméstico. Contudo, apesar da evidência de o fumo passivo aumentar o número de casos de infecções respiratórias e de já existirem leis (Lei Federal nº 9.294 de 1996, além de Leis Estaduais e Municipais) proibindo o ato em alguns locais públicos, são elevadas as taxas de exposição de crianças ao tabagismo passivo no Brasil.

Artigo publicado pelo Caderno de Saúde Pública teve como objetivo determinar os principais fatores associados aos sintomas e as enfermidades respiratórias de menores de até 5 anos e a fonte de exposição ao tabagismo domiciliar que apresenta maior risco. Participaram do estudo 2.037 crianças nas salas de vacinação dos postos de saúde de Cuiabá, Mato Grosso.

A pesquisa concluiu que crianças expostas à fumaça do tabaco têm quase duas vezes mais chances de serem atingidas por doença que as não-expostas. Os resultados apontaram 59,9% de casos de sintomáticos respiratórios, sendo maior para as que convivem com fumantes. O “tabagismo dos moradores” foi a variável que se mostrou mais associada à doenças respiratórias. A asma e a bronquite foram os distúrbios mais citados.

Com o resultado do estudo os autores recomendam esforços para que não apenas os pais, mas, todos os moradores da casa parem de fumar na presença das crianças. A medida tem o objetivo de reduzir os efeitos negativos à saúde infantil. Na opinião dos pesquisadores programas de educação para a saúde também devem ser implantados com o mesmo objetivo.
Texto elaborado pelo OBID a partir do original publicado pelo Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, mar. 2006, vol.22 (3), pag 579–586. ISSN 0102-311X
Autor: Gonçalves – Silva, Regina M. V.; Valente, Joaquim G.; Lemos – Santos, Márcia G. F.; Sichieri, Rosely.
Fonte: OBID