Entre os não-fumantes, câncer de pulmão atinge mais homens

Índices de morte em decorrência do câncer de pulmão são um pouco mais altos entre os homens que nunca fumaram do que entre as mulheres

O câncer de pulmão não é comum em pessoas que nunca fumaram. Mas quando isso acontece, os médicos sempre pensaram que as mulheres tinham mais probabilidade de morrer que os homens. Novas pesquisas sugerem o oposto.

Analisando registros médicos de quase um milhão de pessoas, pesquisadores da Sociedade Americana do Câncer reportaram nesta terça-feira que os homens que nunca fumaram tiveram, na realidade, índices de morte em decorrência do câncer de pulmão um pouco maiores que as mulheres que nunca o fizeram.

“A sabedoria popular… está errada”, concluiu Michael Thun, autor do relatório na revista Journal of the National Cancer Institute.

Porém, mais mulheres negras que nunca fumaram morreram de câncer de pulmão, comparadas aos índices de mulheres brancas.

O câncer de pulmão é a versão mais comum e letal da doença no mundo todo. Fumar é a principal causa.

Mas cerca de 15 mil mortes ocorrem em pessoas que nunca fumaram. Outras causas conhecidas são fumar passivamente; exposição ao radônio e amianto; fumar outros produtos de tabaco; e altas doses de radiação.

A questão do sexo chegou às manchetes neste outono quando o câncer de pulmão matou a não-fumante Dana Reeve, viúva do astro do filme Super-Homem, Christopher Reeve.

Thun analisou dois estudos de prevenção do câncer que acompanhou a saúde de mais de 940 mil americanos por 20 anos.

Entre os que nunca fumaram, o índice de mortes por câncer de pulmão a cada 100 mil pessoas foi de 17,1 para homens e 14,7 para mulheres no mais recente dos estudos; o outro mostrou índices semelhantes.

O câncer de pulmão atinge normalmente as pessoas mais velhas, e há muito mais mulheres que homens com idade maior que 60 anos que nunca fumaram – 16,2 milhões contra 6,4 milhões. Assim, os médicos estão mais preocupados com elas, mesmo que corram menos riscos, disse Thun.
Fonte : O Estadão