fbpx

FDA aprova nova droga para quem quer parar de fumar

O tratamento para parar de fumar com uma nova droga chamada vareniclina (Chantix) pode ter mais sucesso do que o tratamento com a bupropina (Zyban). De acordo com três estudos publicados no Jornal da Associação Médica Americana esta semana, o tratamento também pode protelar a abstinência. Entretanto, de acordo com o editorial da publicação, a droga não é uma boa opção para quem quer parar de fumar. “Há efeitos colaterais importantes no estômago e no intestino e, de acordo com os estudos, a maioria das pessoas que toma a droga pode não parar de fumar”, diz Robert C. Klesges, um dos co-autores da pesquisa da Universidade do Tennessee, em Memphis.

Chantix, o primeiro remédio anti-fumo em mais de dez anos, pertence a uma geração diferente de drogas para parar de fumar. O remédio é um estimulante de dopamina que faz com que a vontade de fumar desapareça, bloqueando os efeitos da nicotina. A droga foi aprovada pela FDA em maio.

Em dois estudos feitos pelo laboratório, Karen R. Reeves do Pfizer Pesquisa e Desenvolvimento Globais, e sua equipe testaram os efeitos do remédio contra os efeitos do Zyban e de um placebo. Num terceiro estudo, a droga foi testada junto com um placebo para medir o tempo de abstinência. No primeiro estudo, 1025 que fumam pelo menos 10 cigarros por dia, tomaram a medicação por 12 semanas e 44% pararam de fumar imediatamente, um resultado significantemente maior do que os 29,5% alcançados com o Zyban e dos 17,7% dos resultados alcançados com o placebo.

De qualquer forma, em um ano a taxa de abstinência de quem usou Chantix não foi muito diferente da de quem tomou Zyban: 21,9% contra 16,1%. Ainda assim, estas taxas são muito mais altas do que a alcançada com o placebo, que é de 8,4%. Entre os efeitos colaterais, 28,1% dos relatos foram de náuseas. Já com o Zyban a taxa mais alta de reclamação é de insônia, de 21,9%.

A segunda pesquisa foi feita de forma semelhante mas, desta vez, a taxa de quem não voltou a fumar depois de um ano foi muito mais alta com o Chantix do que com o Zyban: 23% contra 14,6%. Mais uma vez, o Chantix foi associado a náusea, com uma taxa de aproximadamente 30%.

O terceiro estudo envolveu 1.210 fumantes que ficaram pelo menos sete dias sem fumar depois de completar o tratamento de 12 semanas com o Chantix. Os voluntários foram escolhidos aleatoriamente para tomar o remédio, ou o placebo, por mais 12 semanas. Das pessoas que tomaram o Chantix, 43,6% continuaram sem fumar entre 13 e 52 semanas. Um aumento significativo se comparado aos 36,9% das pessoas do grupo que tomaram o placebo.

Embora os resultados sejam animadores, Klesges disse que os fumantes não devem ficar empolgados com a nova droga, como se fosse uma crua fácil. “Não há nenhuma fórmula mágica para nenhum dos casos, especialmente para um que envolve um comportamento humano complexo. Mas pode ser uma boa ajuda no tratamento para parar de fumar. Claramente há um componente que vicia no cigarro que pode ser tratado com uma combinação de remédios e de terapia”.
Fonte: O Globo