As redes sociais de apoio e vínculo aos dependentes químicos

Todo indivíduo pertence a uma rede, a um subgrupo da sociedade global. As redes sociais são conjuntos de vínculos entre o indivíduo e as pessoas emocionalmente significativas para ele (família, amigos, vizinhos e colegas de trabalho). Também são fontes de recursos, informações e apoio emocional, caracterizando-se por possuir interações freqüentes, afeto positivo e apoio significativo.

Artigo publicado na Revista Saúde Mental Álcool e Drogas, em 2006, teve como objetivo identificar as redes sociais de apoio e vínculo aos usuários do Centro de Atenção Psicossocial para Álcool e Drogas – CAPS AD da Região Sul do Brasil.

O CAPS AD é um serviço de atenção psicossocial para atendimento de pacientes com transtornos decorrentes do uso e dependência de substâncias psicoativas. Funciona diariamente (de segunda a sexta-feira das 8 às 18 horas) oferecendo desde o atendimento individual – medicamentoso, psicoterápico e orientação – até atendimentos em grupo como oficinas terapêuticas, visitas domiciliares, condições para repouso e desintoxicação ambulatorial.

O presente estudo foi realizado com uma amostra constituída por seis usuários do CAPS AD, alfabetizados, maiores de 21 anos, que não possuíam déficit cognitivo e dependentes de drogas. A coleta de dados foi realizada em três sessões grupais, com a presença de um observador que anotava as discussões e de pesquisadores que ao final de cada encontro anotavam em um diário de campo o que tinha ocorrido e as suas impressões sobre o mesmo.

No primeiro encontro, o único que foi gravado, os componentes foram apresentados e alguns conceitos principais foram explicados. No segundo, foi construído e apresentado o ecomapa (instrumento que permite a visualização do indivíduo e suas relações, sejam elas positivas ou negativas) de cada um e no terceiro foi apresentada uma síntese dos outros dois encontros e realizada uma avaliação em grupo sobre as contribuições das sessões.

A pesquisa apontou que alguns vínculos familiares foram rompidos ou encontram-se fragilizados em vista das recaídas e da situação constante de estresse. Entretanto, ainda constitui-se no principal, ou muitas vezes, no único suporte. A rede de amigos raramente foi citada como um vínculo pelos sujeitos e a perda do elo profissional destacou-se como fator preponderante ao abuso de álcool e outras drogas. Apesar de algumas falhas, os pesquisadores configuraram o CAPS AD como a principal rede operante, ou seja, aquela que apóia, oferece ajuda material, serviços e contatos sociais.

Os pesquisadores concluíram que existe um comprometimento severo da rede de suporte dos participantes – tanto nas relações sociais quanto nas visitas domiciliares e intervenções comunitárias que não eram realizadas pelos profissionais do CAPS AD do qual os sujeitos participavam – explicitando a necessidade de implantar medidas que objetivem a reabilitação psicossocial desses indivíduos.
Autor: Jaqueline de Souza, Luciane Kantorski e Fernanda Mielke
Fonte: OBID