Juiz aceita ação contra fabricantes de cigarros light nos Estados Unidos

Um juiz federal de Nova York aceitou hoje, 25/09, uma ação coletiva apresentada por um grupo de fumantes que se viram prejudicados pelo consumo de cigarros light e que exigem uma indenização de US$ 200 bilhões (cerca de R$ 442 bilhões) às empresas do setor.

O juiz do distrito do Brooklyn, Jack Weinstein, declarou que o grupo de litigantes pode seguir adiante com seu processo em nome de todos os fumantes de cigarros light (com menos nicotina) prejudicados nos Estados Unidos.

As companhias identificadas no processo são Philip Morris, R.J. Reynolds, Brown & Williamson Tobacco, Lorillard Tobacco, British American Tobacco e Liggett Group.

A ação, apresentada inicialmente em nome de Barbara Schwab contra a Philip Morris, alega que as fabricantes de cigarro enganaram os consumidores ao fazê-los crer que os produtos light eram menos prejudiciais que os que continham maiores níveis de nicotina.

De acordo com os últimos dados disponíveis pela indústria de tabaco americana, em 2002, os cigarros light tomavam 85% do mercado.

A decisão do juiz, parte de um documento de 1.500 páginas que ainda não foi divulgado, pode ser apelada. No ano passado um tribunal de apelações de Nova York rejeitou outra ação coletiva aceita pelo mesmo juiz e apresentada por outro grupo de fumantes contra as empresas do setor.
Autor: UOL Últimas Notícias
Fonte: OBID