Consumo de álcool na gravidez pode afetar a saúde do bebê

Especialistas alertam para os riscos do consumo de bebidas alcoólicas durante a gravidez e na amamentação. O álcool pode causar má formação do feto e problemas no desenvolvimento da criança, é a chamada Síndrome Alcoólica Fetal. Segundo médicos do Instituto de Neurologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, uma simples taça de vinho pode oferecer risco ao bebê.

Cada vez que a mãe bebe, o feto está recebendo o álcool diretamente no sangue. A bebida segue, para os órgãos e para o cérebro da criança. Além de retardar o desenvolvimento, a criança pode ter dificuldade de crescimento, má formação de órgãos, como o coração e os rins, e o desenvolvimento do cérebro comprometido. Esse atraso no desenvolvimento pode gerar dificuldade de aprendizagem.

A Síndrome pode causar, ainda, problemas de comportamento. Em geral, essas alterações cerebrais são mais leves e não têm reflexo na parte física. Uma forma de identificar o problema é observar se a criança tem um comportamento anti-social e depressivo, muito comum nesses casos.

Para tratar de crianças que nasceram com problemas provocados pelo álcool consumido pelas mães durante a gestação, a UFRJ criou um ambulatório específico. É importante observar que, já no pré-natal, é possível detectar as ações nocivas do álcool. Um simples exame de ultra-som pode informar se o bebê tem a Síndrome Alcoólica Fetal.

A prevenção ainda é a melhor estratégia. Estatísticas mostram que, uma em cada mil crianças têm a Síndrome. Mas quando consideramos as mães que ingerem álcool durante a gestação, o índice é ainda maior: de cada dez crianças de mães que ingerem álcool, uma pode manifestar o problema.
Autor: TV Globo
Fonte: OBID