Entidade médica debate melhor tratamento para usuários de cocaína

Congresso anual da Associação Brasileira de Psiquiatria acontecerá entre 25 e 28 de outubro, em Curitiba e discutirá a cocaína – substância natural extraída das folhas de uma planta encontrada exclusivamente na América do Sul, a Erythroxylon coca. Esta é uma das drogas mais conhecidas e utilizadas no mundo. No Brasil, segundo estudo da Universidade Federal de São Paulo – Unifesp, 2,3% da população nas maiores cidades já experimentou a droga. Comparado a outros países o número é baixo, mas de acordo com os pesquisadores há mercado para crescimento. Prova disso é o aumento das apreensões realizadas pela Polícia Federal. No ano passado foram apreendidos 15.656 quilos de cocaína, contra os 7.199 quilos de 2004.

As sensações de grande poder e prazer e a intensa euforia causada pelo “pó” induzem rapidamente a uma dependência difícil de ser superada. No entanto, os métodos de tratamento são diversos. Para encontrar as melhores opções para cada tipo de usuário, a Associação Brasileira de Psiquiatria discutirá ao longo do seu congresso anual, em Curitiba, as melhores práticas no tratamento da dependência em cocaína.

Segundo o Coordenador do Departamento de Dependência Química da Associação, Ronaldo Laranjeira, o objetivo é mostrar o que há de mais moderno e eficaz na área. Para ele, diversos métodos, como psicoterapia e uso de medicamentos, devem ser utilizados em conjunto. “As discussões irão levar ao pensamento na integração entre as diversas modalidades de tratamento”, explica.

Entre os assuntos que serão discutidos, estão os efeitos da cocaína no cérebro, redução de danos para usuários, relação do HIV com o uso da droga, uso por crianças e adolescentes, custos sociais e econômicos, relação com transtornos psiquiátricos, síndrome de abstinência e tratamentos farmacológico e psicológico do uso da cocaína, entre outros.
Autor: Agência Brasileira de Notícia
Fonte: OBID