Ajuda anônima para ficar longe das drogas

Antonio é, desde há cinco anos, presença assídua nas reuniões dos Narcóticos Anónimos que, em Braga, acontecem quatro vezes por semana num esforço de entre-ajuda para quem quer manter-se limpo de drogas.

Dependentes químicos em recuperação que se reúnem com regularidade para que se ajudem mutuamente nesta empreitada. Este é o espírito dos Narcóticos Anônimos – NA que, na cidade de Braga, Portugal, realizam quatro reuniões semanais.

As reuniões acontecem todas as terças-feiras, na Igreja de S. Lázaro e as quintas, sextas e domingos no antigo espaço do Centro Acadêmico de Braga – CAB.

António, que há cinco anos procura ajuda nos NA, conta que as reuniões registram uma média de 15 a 20 participantes. Há elementos que vão a todas as reuniões, outros que aparecem apenas esporadicamente. Este é, aliás, um dos motivos pelos quais as reuniões acontecem quatro vezes por semana.

As pessoas que freqüentam têm normalmente entre 18 e 40 anos, e são de inúmeras áreas profissionais, ali unidas pela vontade de não depender mais das drogas.
António garante que “qualquer pessoa é bem-vinda”, mas é filosofia da associação dar especial atenção a quem chega pela primeira vez.

Há também quem escolha um “padrinho”, que é um confidente, normalmente uma pessoa com mais experiência de recuperação, com quem se pode partilhar aqueles detalhes que não se querem divulgar na reunião de grupo, explica António.

Além disso, existe uma linha SOS que costuma receber pedidos de ajuda, muitas vezes de familiares de pessoas com problemas de droga e que são convidados a participar numa reunião. Admitir a impotência perante a dependência da(s) droga(s) é o primeiro de 12 passos do programa dos NA, inspirado nos 12 passos dos Alcoólicos Anônimos.
O único requisito para ser membro dos NA é o desejo de parar de usar drogas.

Não há nenhuma obrigação nos NA. O programa é composto por princípios escritos de uma forma clara para poderem ser seguidos diariamente. “Não estamos associados a nenhuma organização, não é necessário pagar jóia ou quotas, não há juramentos ou promessas. Não estamos ligados a qualquer grupo político, religioso ou policial, e não estamos sob vigilância. Qualquer pessoa pode juntar-se a nós, independentemente da idade, raça, sexo, crença, religião ou falta desta” pode ler-se no sitio da região portuguesa dos NA – basta pesquisar narcóticos anônimos para encontrar.

“Não estamos interessados em saber quais as drogas se usava ou em que quantidades, seus contactos, passado, ou situação econômica; apenas queremos saber o que se deseja fazer acerca do seu problema e de qual forma podemos ajudar” garante a associação.
Autor: Correio do Minho
Fonte: OBID