França proíbe fumo em lugares públicos

Desde ontem, os 15 milhões de fumantes franceses — aproximadamente um quarto da população — estão proibidos de fumar em lugares públicos, incluindo escolas, hospitais, estabelecimentos comerciais e todos os meios de transporte coletivo. Quem for flagrado com um cigarro aceso nesses lugares terá de pagar multa de 75 euros, e o dono do estabelecimento, de 150 euros. Cafés, boates, restaurantes e cassinos têm até o início do próximo ano para se adequar à nova restrição.

Com a lei, as autoridades francesas esperam trazer melhorias significativas à saúde pública. De acordo com o Ministério da Saúde, cerca de 66 mil pessoas morrem todos os anos no país de doenças relacionadas ao consumo de tabaco. Pelo menos 5 mil dessas mortes estão ligadas ao fumo passivo. “O cigarro mata 13 pessoas por dia na França, o que é uma realidade inaceitável”, declarou o primeiro-ministro francês, Dominique de Villepin. Para ele, o país está “maduro” para esse “momento histórico”. No total, 175 mil agentes do Ministério da Saúde foram escalados para controlar o respeito ao decreto.

Pesquisas mostram que 70% das pessoas apóiam a restrição ao fumo. É o caso do personal trainer Tristan Rambaud, 29 anos, de Lyon: “A proibição é ótima porque no país não havia o respeito aos não-fumantes”, disse. “Agora, há uma regra que vai fazer com que os não-fumantes possam sair para jantar sem serem incomodados pela fumaça”.

Divergência
Mas há quem questione o argumento das autoridades para implementar a proibição. “Isso é uma tática do governo para faturar com as multas. A preocupação não é que sejamos mais saudáveis. Se quisessem que o consumo de tabaco diminuísse, restringiriam a venda de cigarros em vez de proibir as pessoas de fumar”, defendeu o parisiense Ronan Lelièvre, 28 anos, em entrevista por telefone à reportagem. Mas ele concorda que a restrição pode ajudar fumantes a largar o hábito. “Quero muito parar e espero fumar menos agora”, admite. Outro aspecto levantado por fumantes é que a lei desrespeita o direito de escolha do indivíduo. “As pessoas têm de decidir por elas mesmas e o governo não tem nada a ver com isso”, disse ao Correio Yuri Koerts, um holandês residente na França. “Fumar é uma liberdade pessoal.”

Ao proibir o fumo em lugares públicos, a França se junta ao grupo de países europeus, como Irlanda, Espanha e Itália, com leis antitabaco — iniciativa em alta no continente e incentivada pela União Européia (UE). No entanto, em nações como a Alemanha, a legislação federal não prevê proibições à prática. Cerca de 500 mil pessoas morrem anualmente por complicações decorrentes do fumo no bloco.
Autor: Lionel Cironneau/AP
Fonte: CORREIO BRAZILIENSE