Grupo explica ação do LSD no cérebro de mamíferos

Os rituais xâmanicos e as experiências psicodélicas que têm como base “viagens” causadas por drogas psicotrópicas perderam hoje um pouco do mistério que os envolvia. Um grupo de neurocientistas liderados por pesquisadores do Departamento de Neurologia da Escola de Medicina de Monte Sinai, nos Estados Unidos, descobriu o mecanismo neural por trás dos efeitos de substâncias alucinógenas como o LSD, a mescalina e a psilocibina. A pesquisa foi publicada no periódico científico Neuron (www.neuron.org).

“Ainda é muito cedo para respondermos a questões como quais serão os benefícios práticos da descoberta, mas o importante é que ela revela a ‘assinatura’ de substâncias alucinógenas no cérebro”, disse o Neurocientista Stuart Sealfon, um dos autores da pesquisa. Os neurocientistas já sabiam que alucinógenos ativam fechaduras químicas específicas (receptores) do cérebro, conhecidas como 5-HT2A, acionadas pela chave molecular (neurotransmissor) serotonina. Mas o grande mistério sobre o efeito dos alucinógenos estava ligado ao fato de que outros componentes que afetam os mesmos receptores não causam alucinações. Drogas como o Prozac, por exemplo, atuam modulando justamente a serotonina no cérebro, já que esse neurotransmissor está envolvido, por exemplo, na sensação de bem-estar.

O que os cientistas descobriram foi que os receptores 5-HT2A de uma parte específica dos mamíferos, o córtex cerebral, respondem aos alucinógenos. As análises revelaram que o LSD produziu respostas no córtex bastante diferentes daquelas induzidas por componentes não-alucinógenos. Os cientistas investigaram também a centralidade da 5-HT2A no procedimento, criando camundongos sem esses receptores no córtex. Descobriu-se que os animais sem eles não responderam aos efeitos alucinógenos do LSD.

Para o Neurocientista Luiz Eugenio Mello, da Universidade Federal de São Paulo -Unifesp, a estratégia usada pelos pesquisadores estrangeiros é válida. “Ela permite não apenas estudar o fenômeno, mas também definir possíveis tratamentos para as várias situações onde as alucinações viram parte de uma doença, como ocorre na esquizofrenia”.
Fonte: Folha de São Paulo