Núcleo de assistência amplia o atendimento em Boa Vista

O atendimento prestado aos dependentes químicos por meio do Núcleo de Assistência ao Dependente Químico (NADQ) está sendo ampliado pela Prefeitura de Boa Vista, que está atualmente investindo na estrutura do atendimento psicossocial prestado às crianças e jovens dos programas sociais. Uma das novidades é a criação de uma coordenação pedagógica que vai auxiliar na elaboração das estratégias que este ano, serão desenvolvidas com dois focos: prevenção e tratamento.

A prevenção consiste na realização de palestras e ações educativas que serão desenvolvidas tanto nos programas sociais quanto em escolas públicas. O objetivo é orientar crianças e adolescentes sobre os efeitos negativos do uso de drogas e os perigos da dependência química.

Em relação ao tratamento, a intenção do NADQ é envolver ainda mais as famílias nas ações de acompanhamento ao paciente. Outra meta é a implantação de um centro de recuperação para meninas. Atualmente, a prefeitura mantém convênio com duas clínicas de recuperação para meninos que funcionam em Manaus (AM) e em São Paulo.
“O público feminino fica de certa forma, sem a assistência necessária, porque muitas vezes, é necessário realmente que o paciente receba o tratamento em uma clínica de recuperação especializada. Para suprir essa necessidade, estamos buscando uma parceria com o governo do Japão para a implantação de um centro de recuperação feminino aqui em Boa Vista”, informou a coordenadora do Núcleo, Valéria de Sousa.

O Departamento Psicossocial conta com seis psicólogos, cinco assistentes sociais, três consultores especializados no tratamento de dependentes químicos, três pedagogos e um psicopedagogo.

A prefeitura está trabalhando também no acompanhamento de adolescentes que estão cumprindo medidas sócio-educativas. O trabalho atende ao que estabelece o Sistema Nacional de Atendimento Sócio-educativo (Sinase) aprovado em agosto de 2006.

Com o trabalho, os adolescentes encaminhados pelo Juizado da Infância e Adolescência recebem o atendimento individualizado, enquanto cumprem as medidas sócio-educativas de liberdade assistida ou prestação de serviços à comunidade.

Segundo Valéria Sousa, Boa Vista é considerada uma referência no cumprimento do Sinase, promovendo ações que ajudem na recuperação de crianças e adolescentes infratores. “O Município precisa oferecer uma rede de serviços e oportunidades que venham colaborar para a socialização e ressocialização das crianças e jovens que cometeram alguma infração. Assim, com o acompanhamento psicossocial é possível identificar quais são as necessidades desses jovens e melhorar a atuação do Município na promoção da política de atendimento infanto-juvenil”, explicou Valéria.

Um exemplo disso é a inserção de alguns jovens nos programas sociais da prefeitura, onde os jovens passam a receber uma bolsa auxílio mensal, acompanhamento psicopedagógico e orientação profissionalizante.
Autor: Folha de Boa Vista
Fonte: ABEAD