O uso de metanfetaminas, MDMA (ecstasy), LSD, GHB, Quetamina e Flunitrazepam por jovens americanos

Nos Estados Unidos, metanfetamina, MDMA (ecstasy), LSD, GHB, a quetamina, e o flunitrazepam (Rohypnol) são chamadas de “club drugs” pelo National Institute on Drug Abuse (NIDA, 2005). Estas drogas são tipicamente usadas por adolescentes e jovens adultos em bares, clubes, shows, e raves. Estudos verificaram que estas drogas são utilizadas para manter a energia, dançar e alterar o estado de consciência. O uso de “club drugs” passou a ser monitorado pelo NIDA em decorrência de seu uso crescente, para tanto, foi criado um website http://www.clubdrugs.org que fornece informações científicas sobre estas substâncias. Similarmente, pesquisadores de outros países sugeriram o aumento do uso de tais drogas pelos jovens, e das festas raves onde as “club drugs” são utilizadas.
Os autores deste estudo examinaram as taxas de prevalência, padrões de consumo e dados que se correlacionam ao uso de “club drugs” em jovens americanos entre 16-23 anos.

A Metanfetamina (“speed”,”ice”,cristal”,”crank”,e “glass”) é uma poderosa droga estimulante com elevado potencial para abuso porque é barata, disponível em várias formas, pode facilmente ser feita em laboratórios clandestinos.

O MDMA é uma droga estimulante alucinógena com uma estrutura química similar a metanfetamina e a mescalina. O LSD é droga que mais altera a percepção e o humor e a droga alucinógena mais usada pelos adolescentes. A quetamina e GHB são agentes anestésicos. A quetamina produz um efeito similar a fenciclidina mas com um efeito de duração muito mais curta. O GHB (ecstasy líquido) foi usado como um dispositivo rápido de indução de sono, esta droga produz uma intoxicação prazerosa ou intensifica a atividade social e promove a potencialização de outras drogas. O flunitrazepam é um benzodiazepínico sedativo/ hipnótico.O GHB e o flunitrazepam tem sido associados com atos sexuais violentos devido a indução de sono profundo.

Mundialmente, a metanfetamina é a mais usada das “club drugs”. Pesquisadores, em diferentes países, relataram um aumento no uso de MDMA e mortes relacionadas a seu uso, particularmente entre pessoas jovens.

Tanto nos Estados Unidos como em outras partes do mundo os estudos sobre “club drugs” foi focado em adultos e subgrupos específicos da população (usuários de drogas, homossexuais e bissexuais, estudantes universitários e freqüentadores de festas e raves). O LSD por ser a droga alucinógena mais usada por adolescentes, tem uma associação significativa com o comportamento sexual de risco e a beber pesado e freqüente. Entretanto, o LSD foi pouco abordado em estudos recentes.

O conhecimento atual sobre uso do GHB, quetamina e flunitrazepam é baseado primeiramente em estudos na população gay ou bisexual assim como nos freqüentadores de festas e raves. Estes estudos relatam uma prevalência elevada do uso de GHB (25-29%) e da quetamina (47-66%) e uma associação significativa de uso destas drogas com comportamento sexual de risco.

Os estudos sugeriram consistentemente que alguns usuários de “club drugs” fazem uso de drogas e apresentam comportamento sexual de risco podendo tornar-se dependentes da substância adquirirem HIV.

Neste estudo focou-se o período entre adolescência e início da vida adulta. Este período transacional envolve principalmente mudanças no papel em muitos domínios da vida (por exemplo: saída do colegial, início da faculdade, começo de uma carreira, casamento, filhos) estes períodos tem sido considerados de risco para o início do uso de “club drugs” e de beber pesado.

Foi examinado o uso de diversos tipos de drogas entre cada subgrupo de usuários usando avançados procedimentos estatísticos para ajustar variações demográficas, uso isolado e combinado de diversas drogas. Os resultados das análises poderiam ajudar a identificar subgrupos demográficos para implantar programas de prevenção para reduzir a freqüência e as conseqüências adversas deste uso emergente de “club drugs” entre adolescentes e jovens adultos.

A metodologia da pesquisa foi baseada em análises estatísticas provenientes dos em dados do National Survey on Drug Use and Health (NSDUH), um exame anual do uso de substâncias licitas e ilícitas. As entrevistas foram feitas no local de residência destas pessoas durante uma hora.

Este estudo fornece estimativas da prevalência para o uso de metanfetamina, do MDMA, do LSD, da quetamina, do GHB, e do flunitrazepam em uma amostra nacionalmente representativa dos jovens americanos que residem na comunidade.
O uso múltiplo das “club drugs” entre os usuários de drogas é muito comum (51%). Não obstante, 99% dos usuários de clubdrugs relataram uso de outras drogas.
A maconha é uma importante droga de passagem, é a primeira droga (ilícita) usada pelos jovens Dos tipos de droga usados concomitante com as “club drugs” a maconha é a mais usada freqüentemente pelos usuários de “club drugs” variando entre 97% a 100%. Depois da maconha, a maioria de usuários de “club drugs” faz uso de remédios opióides não prescritos (60-87%), inalantes (45-84%), e cocaína / crack (35-79%).
Os inalantes, depois do maconha, são a segunda droga mais usada por adolescentes americanos. Os estudos sugerem também que os usuários de metanfetamina parecem estar em um estágio mais avançado de comprometimento pela drogas do que usuários de MDMA visto que utilizam 3 ou + drogas concomitantemente à metanfetamina do que os usuários de MDMA.

Os pesquisadores encontraram que a prevalência do uso de drogas entre mulheres está aumentando, elas parecem iniciar o uso da droga e desenvolver o abuso ou a dependência em uma idade mais precoce do que os estudos anteriores mostraram. Estudos anteriores mostraram que as mulheres foram mais propensas ao uso de MDMA do que os homens e os homens mais propensos a usar alucinógenos do que as mulheres. Porém neste estudo, o uso de “club drugs” em mulheres parece ter aumentado.

Os usuários recentes de MDMA tendem a ser jovens entre 18-21, residentes de áreas metropolitanas; enquando a maioria de usuários de LSD foram estão entre a faixa de 16-19 ou aqueles que vivem em uma família com uma renda de menos do que $ 40.000. Interessante que os usuários da quetamina são jovens empregados e parecem ser mais velhos do que outros usuários de “club drugs””. Neste estudo os negros são os menos propensos a usar “club drugs”. Adicionalmente os hispânicos são mais propensos do que negros a usar a metanfetamina e o LSD.

Finalmente, a família pode exercer um papel central em impedir o início do uso destas drogas, os pais estão na melhor posição para observar mudanças comportamento de seus filhos e devem auxiliar na prevenção e levar o indivíduos para o tratamento se este estiver apresentando problemas decorrentes do uso.

Li-Tzy Wu
William E. Schlenger
Deborah M. Galvinc

Drug and Alcohol Dependence; Volume 84, 2006, Pag 102-113

Fonte:Site Álcool e Drogas sem Distorção (www.einstein.br/alcooledrogas)/Programa Álcool e Drogas (PAD) do Hospital Israelita Albert Einstein