O uso de bebidas alcoólicas e anfetaminas entre caminhoneiros


O uso de anfetaminas e de bebidas alcoólicas por caminhoneiros vem se configurando como um hábito comum na categoria profissional. A anfetamina –estimulante utilizado de modo abusivo ou prescrito como remédio para emagrecer – é muito consumida pelos profissionais na redução do sono e do cansaço em percursos de longa distância; e o álcool, uma das principais causas de acidentes e mortes no trânsito, para aliviar a ansiedade causada pelo tipo e condições de trabalho.

Esse uso indiscriminado e prejudicial está associado à fatores socioeconômicos, como dívidas pessoais, crise no setor de transportes e exigências de entrega de cargas em curto prazo. Muitas vezes o uso é estimulado pelas empresas de transportes, que chegam a fornecer a anfetamina para os caminhoneiros.

Artigo publicado pela Revista de Saúde Pública, em 2007, analisou a incidência do uso de álcool e anfetaminas entre caminhoneiros de estrada.

A população de estudo foi composta por 91 caminhoneiros escolhidos aleatoreamente entre os que buscaram ajuda em uma unidade móvel de atendimento de saúde. Todos os participantes faziam trajetos de longa distância e freqüentavam um posto de combustíveis situado à beira da rodovia MG-050 em Passos, Minas Gerais.

A coleta de dados foi realizada em novembro de 2005 por meio de um questionário anônimo, contendo 19 questões de múltipla escolha, que versavam sobre condições de trabalho, uso de álcool e anfetaminas.

A partir dos resultados obtidos verificou-se que 66% dos participantes costumavam fazer uso de anfetaminas durante o percurso de viagem, dentre os quais, 27% as usavam diariamente e 60% de duas a três vezes por semana. A pressa para chegar ao local de destino foi apontada por 76% dos entrevistados como o principal motivo para o uso; 27% relatou envolvimento em acidentes nas estradas devido ao uso de anfetaminas. Em 54% dos casos, as anfetaminas eram adquiridas nos postos de combustíveis, em 38% nas drogarias e em 8% nas próprias empresas de transportes.

Ainda na pesquisa, foi evidenciado que 91% dos caminhoneiros usavam bebidas alcoólicas, dos quais 24% utilizavam-nas todos os dias e 35% as consumiam de duas a três vezes por semana; 63% dos caminhoneiros afirmou, que o principal motivo para o uso de bebidas é a participação no grupo de amigos e 43% da amostra consumia álcool nos postos de combustíveis. Os dados também apontaram que 17% já se envolveu em acidentes nas estradas por causa do uso dessa substância.

Os autores concluíram que o uso de anfetaminas e álcool entre os caminhoneiros é uma realidade, particularmente entre aqueles que trafegam durante a noite e/ou de madrugada, dormindo no máximo seis horas por dia.
Os pesquisadores apontam as seguintes medidas como profícuas na melhoria da qualidade de vida, do trabalho e diminuição de acidentes: a implantação de campanhas preventivas e educativas nas empresas de transporte, a reavaliação dos prazos de entrega da carga por parte dos seus proprietários, campanhas nos postos de combustíveis e uma fiscalização mais criteriosa nas estradas.

No estudo foi evidenciado que os motoristas de caminhão devem ser alertados sobre os riscos de dependência da anfetamina e do álcool. Isso poderá reduzir as chances de caminhoneiros consumirem as substâncias.

Texto resumido pelo OBID a partir do original publicado pela Revista de Saúde Pública, São Paulo, 41(2): 290-293, 2007. ISSN: 0034-8910. Editada pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo.

TÍTULO: Uso de álcool e anfetaminas entre caminhoneiros de estrada.
Fonte: NASCIMENTO, E. C. do.; NASCIMENTO, E.; SILVA, J. P.