Tecnologia ajuda a coibir fumo adolescente e álcool no Japão

Até o final de 2008, mais de 600 mil máquinas de venda de cigarros no Japão, onde a maioria dos adolescentes japoneses compram seus maços, serão equipadas com um dispositivo de verificação de idade.

A ação será um duro golpe contra os fumantes adolescentes do Japão. A facilidade com que compram seus cigarros a caminho da escola é a mesma de comprar uma lata de refrigerante.

Segundo uma pesquisa do governo do País junto à estudantes colegiais, realizada em 2004, cerca de 42% dos rapazes e 27% das moças já experimentaram ou eram usuários frequentes de cigarros.

Para comprar um maço a partir das máquinas no futuro, os fumantes terão que passar um cartão contra um leitor eletrônico para provarem que estão acima da idade legal – 20 anos. Os cartões Taspo, com foto, nome e data de validade, serão emitidos pelo Instituto de Tabaco do Japão, uma associação de varejistas de fumo. Os cartões são equipados com um chip que permite aos consumidores pagarem eletronicamente suas compras.

Os detalhes das transações são transmitidos sem fio de cada máquina vendedora para um sistema fornecido por um grupo de companhias liderado pela NTT Data, unidade da telefonia celular japonesa Nippon Telegraph & Telephone.

“Máquinas de cigarro estão espalhadas por toda a parte e ninguém me impede (de comprar)”, disse um jovem de 17 anos enquanto comprava um maço de Mild Seven, marca mais popular no Japão, em uma máquina. “Eu acho que não vai ser tão fácil mais”, lamentou.

O sistema será instalado gradualmente e já foi testado em dois locais – uma pequena cidade em Chiba, em 2002, e em uma cidade da ilha de Kyushu, no sul do País, em 2004.

“Moradores locais disseram que os adolescentes pararam de ficar em volta das máquinas de cigarros como costumavam ficar”, disse Hiroshi Yokoya, porta-voz do Instituto de Tabaco.

Mas os cartões, que estão custando às companhias de cigarros e fabricantes das máquinas automáticas quase 90 bilhões de ienes – 763,2 milhões de dólares, não impedirão todos os jovens de fumar. Alguns ainda poderão tentar comprá-los em lojas ou mesmo roubar um cartão de um adulto.

Bafômetro com celular e GPS

A tecnologia também ajuda a manter as estradas livres de motoristas embriagados.

Companhias de transportes estão usando celulares acoplados a bafômetros para fazer com que seus motoristas não dirijam embriagados.
Para verificar se a pessoa que está soprando na máquina é mesmo o motorista, o processo acontece enquanto o motorista e um supervisor estão conectados por videoconferência.

A operadora celular DoCoMo afirma que vendeu 1.500 sensores de álcool a 150 empresas desde o lançamento do sistema em junho de 2006. Os sensores, equipados com um software especial, são vendidos por 90 mil ienes, em média.

Um sistema similar vendido pela operadora rival KDDI, que usa e-mail em vez de videoconferência, também está equipado com tecnologia de posicionamento por satélite – GPS que ajuda as empresas a rastrearem as localizações exatas dos motoristas.

O número de acidentes fatais com motoristas de caminhões caiu 14 por cento em 2006 em relação ao ano anterior, graças à legislação mais dura imposta pelo governo. O total de casos no ano passado somou 611, segundo a polícia de Tóquio.
Autor: Terra
Fonte: OBID