Tabaco fica mais caro

A Receita Federal elevou em 30%, na média, o Imposto sobre Produtos Industrializados – IPI que incide sobre os cigarros vendidos no País, o que deve resultar em um aumento dos preços do produto para o consumidor final.

O aumento deverá variar de acordo com o tipo de cigarro, já que os impostos têm valores diferentes. No caso dos maços mais simples, o IPI vai passar de R$ 0,469 para R$ 0,619 por unidade – o que significa uma alta de 32%. Nos cigarros vendidos em caixas, o imposto vai subir de R$ 0,884 para R$ 1,131 -um aumento de 28%.

A nova tabela, já com a aplicação dos impostos mais altos, deve entrar em vigor em 1º de julho. Segundo o Coordenador-Geral de Fiscalização da Receita Federal, Marcelo Fisch, o objetivo do aumento é, justamente, elevar o preço do cigarro, para desestimular o consumo do produto.

Além disso, Fisch afirma que o valor do IPI cobrado sobre os cigarros não sofria alterações desde janeiro de 2004. Ou seja, era necessária uma atualização – com os reajustes nos preços dos cigarros ocorridos desde então, o peso dos tributos sobre o valor final cobrado do consumidor vinha diminuindo.

Ainda de acordo com a Receita Federal, a indústria do cigarro pagou R$ 3,5 bilhões em tributos no ano passado, e 70% desse total se referia ao IPI. Com o aumento do imposto, a expectativa do Governo é arrecadar R$ 1 bilhão a mais por ano com o setor.
Autor: Olhar Direto Online
Fonte: OBID