Contradições


Na extensa praia, em plena manhã de primavera, um caranguejo corria na areia em companhia de sua mãe.

Observando o filho, a mãe logo o corrigiu: não corra de lado! Andar para frente é muito mais adequado.

O jovem caranguejo respondeu sem demora: “claro, mamãe, quero aprender. Mostre como se anda para a frente e eu ando atrás de você.”

A fábula é simples mas nos oferece motivos de profundas reflexões em torno da educação das novas gerações.

Movidos pelo desejo de preparar os filhos para que sejam os cidadãos responsáveis da sociedade de amanhã, muitas vezes não nos damos conta de que estamos tentando educar só com teorias, sem o exemplo nobre.

As palavras, sem dúvida alguma, são importantes, mas o exemplo vale mais.

Nesse contexto, é comum observarmos muitas contradições por parte dos adultos de hoje.

Enquanto se fala sobre a ecologia, enfatizando-se que é importante que os animais silvestres sejam mantidos em liberdade no meio em que nasceram, vemos filmes e novelas mostrando esses animais mantidos em cativeiros como bichos de estimação.

Enquanto faz-se campanha para que a população não faça uso da auto medicação, tomando remédios por conta própria, vemos uma grande quantidade de propagandas de remédios que prometem curas instantâneas para quase todos os males, incentivando o consumidor a comprá-los.

Enquanto rolam as campanhas contra as drogas, as telas exibem comerciais bem elaborados de cigarro e de bebidas alcoólicas, que são tão prejudiciais, ou mais, que outras drogas proibidas.

Enquanto se fala em inibir a prostituição, mais se apela para a exposição de corpos semi-nus como apelo ao comércio, na divulgação de qualquer produto.

E embora a população fale da necessidade de conter a onda de violência que invade o mundo, os jogos, desenhos e filmes infantis violentos chegam facilmente às nossas crianças.

Enquanto falamos mal da corrupção e da ganância, ensinamos aos nossos filhos, pelo exemplo, que o que importa é ter coisas ao invés de cultivar as virtudes do ser, numa inversão incontestável de valores.

E assim, de contradição em contradição, vamos teorizando acerca de um mundo melhor, sem nos darmos conta de que é preciso ensinar na prática.

A exemplo do filhote de caranguejo, os nossos filhos também desejam andar para frente, mas é preciso que caminhemos adiante deles, mostrando-lhes o rumo certo que devem seguir.

De nada vale dizer-lhes que sigam por determinado lugar, enquanto insistimos em tomar caminhos escusos. Eles, por nos amarem e confiarem em nós, seguirão sempre os nossos passos.

***

Jesus, o Mestre dos mestres, não se contradisse em nenhuma circunstância.

Suas lições foram vividas e exemplificadas por Ele mesmo, em todos os momentos.

Ele, que era conhecedor das leis maiores da vida, sabia que a teoria convence, mas o exemplo arrasta.
(História adaptada do Livro das Virtudes II, pág. 470.)
Fonte: Momento Espirita(www.momento.com.br)