Vereadora convoca sociedade para discutir combate as drogas

A Audiência Pública que discutiu o combate às drogas, em 04/06, reuniu entidades governamentais, filantrópicas e a comunidade, no plenário da Câmara Municipal de Cuiabá. O encontro foi presidido pela Vereadora Enelinda Scala, que defende uma política pública de combate às substâncias narcóticas, de maneira preventiva para os jovens e repressiva para os traficantes. “Precisamos tecer uma teia. Acreditar no poder da união na luta contra estas sustâncias que desajustam a família”, afirmou Enelinda.

Para o Coordenador do Programa Educacional de Resistência as Drogas – Proerd, Tenente-Coronel Jacques Lopes, o combate às drogas começa na adolescência. “É o momento em que a pessoa busca o seu espaço, procura afirmação. E os aliciadores do tráfico aproveitam-se da situação”, declara.

O Proerd atua nas escolas, com crianças da 4a série. São 10 lições que abordam a auto-estima, conduta positiva e atividades de motivação. “O sistema é utilizado em 58 países no mundo e os resultados são excelentes. Em São Paulo, por exemplo, 96% das pessoas que participaram do programa na infância não utilizam drogas na vida adulta”.

Além das drogas ilícitas, as licitas como álcool e cigarro, também foram abordadas. Para o Coronel da Policia Militar, Leovaldo Salles, a formação familiar tem papel importante na questão. “Eu já vi um pai passar a chupeta do filho na cerveja. O que ele está criando é um dependente químico em potencial. Quero ressaltar que o primeiro passo para o uso das drogas ilícitas são as drogas lícitas”, relata.

Salles falou sobre as dificuldades do combate ao tráfico, devido a lucratividade do negócio, e da falta de estrutura das equipes de fronteira. Ele citou como exemplo o comércio de pasta base. “Uma pessoa leva um carro roubado para a Bolívia, vende por R$ 3.000,00 e compra pasta base, que chega ao Brasil valendo R$ 50 mil”.

Vale ressaltar que o comércio de drogas é o segundo mais lucrativo, dentre os comércios ilícitos, perdendo apenas para o tráfico de armas.

No que diz respeito ao tratamento, houve a participação do grupo Amor Exigente, que é ligado a Federação Brasileira de Amor Exigente – Febrae. A Coordenadora regional do grupo, Neiva Figueiredo Nunes da Cunha, falou sobre o trabalho que é destinado ao apoio à família do dependente químico. “Este tipo de reunião é importante para a troca de informações e para facilitar o acesso aos que precisam”.

Enelinda também abordou a questão dos Portadores de Necessidades Especiais – PNE que são alvos indefesos dos traficantes. “Professores têm que ser preparados para atuar diante do problema. O apoio da polícia é primordial, porque muitas vezes o medo impede o profissional de tomar determinadas atitudes”.

A audiência teve a participação do Secretário Adjunto de Justiça e Segurança Pública, Marcos Aurélio Veloso, do Juiz especial Criminal, Mario Roberto de Oliveira, da Coordenadora municipal de Saúde Mental, Ezilda Babosa Carvalho, bem como representantes da Secretaria de Estado Saúde – SES e do Centro de Apoio Psicossocial CAPS.
Fonte: O Documento- OBID