Livro com mapa do tráfico no Rio de Janeiro recebe críticas

O Ministério da Educação recomendou a professores da rede pública um livro didático em que o aluno conhece o nome das favelas do Rio de acordo com o domínio das facções do tráfico. O livro de geografia, destinado a alunos da 6ª série – entre 12 e 13 anos faz parte da lista do guia do Plano Nacional do Livro Didático para o próximo ano letivo e recebeu duras críticas do Prefeito Cesar Maia, que questionou o caráter pedagógico da lição.

Intitulado Geografia sociedade e cotidiano: espaço brasileiro, da editora Escala Educacional, o livro traz na página 10 um mapa da cidade com o título: Áreas de atuação dos grupos de tráfico de drogas no Rio de Janeiro. Na ilustração, por sinal desatualizada, cada favela ganha um ponto colorido com uma legenda relacionando-a à cada facção: Comando Vermelho, Terceiro Comando e Amigos dos Amigos.

O mapa é colocado dentro do capítulo que explica as diferentes formas que a sociedade encontra para delimitar territórios. Desde as formas oficiais até a demarcação do tráfico.

Em seu boletim diário divulgado pela internet, o Prefeito Cesar Maia informou que professores da rede pública vão pedir na Justiça a proibição da circulação do mapa, que chama de “atentado ao ensino de geografia”. A adoção do livro distribuído gratuitamente pelo Governo Federal não é obrigatória. No mesmo comentário, Cesar ironiza: “Que tal incluir mapas de estupro, chacinas…em novas edições?”.

A professora Maria Adailza Martins, uma das autoras do livro, defende o conteúdo e justifica que uma criança de 12 anos não pode ser privada de explicações sobre a realidade. “Quando uma criança fica um mês sem aulas no Complexo do Alemão por causa de tiroteios, merece saber que os territórios também são, infelizmente, determinados pelo tráfico, na ausência do poder público”, diz.
Fonte:Jornal do Brasil – RJ -OBID