fbpx

Estresse é determinante para recaída no tratamento de fumantes

Estudo realizado pelo setor de psicologia do Hospital do Coração – HCor, em São Paulo, indica que os motivos mais freqüentes para a recaída no tratamento de fumantes são o estresse – 62% dos casos e a ansiedade -19%.

De acordo com a pesquisa, 56% dos indivíduos que voltaram a fumar são do sexo feminino. O estresse, nesse caso, seria causado principalmente por causa da dupla jornada de trabalho.

Silvia Cury Ismael, chefe do setor de psicologia do HCor, afirma que o fumante não pode ser tratado apenas com medicação. A conclusão do estudo é que o tratamento psicológico aliado ao farmacológico apresenta um aumento de 20% no sucesso do tratamento em relação ao uso de medicamentos.

Além disso, o estudo revela que se o paciente nunca tentou parar de fumar e usa o cigarro como estimulante, tem até seis vezes mais chances de recaída.

Já no grupo de pacientes insatisfeitos com questões pessoais, o índice de recaída é cinco vezes maior.

Fonte: BOL ONLINE / FOLHA DE S.PAULO ONLINE / UOL ONLINE -OBID