Pesquisa condena maconha em praia do Rio de Janeiro

Se fumar maconha ou consumir qualquer outro tipo de droga ilícita já não fosse mesmo proibido, um novo Código de Posturas da prefeitura do Estado do Rio de Janeiro teria que legislar sobre o assunto e criar até mesmo multas pesadas para este tipo de infração.

Pesquisa realizada pela Secretaria de Governo do Município para atualizar o perfil dos freqüentadores de Copacabana mostrou que, no item “O que você gostaria que desaparecesse da praia?”, os consumidores de drogas aparecem em terceiro lugar, perdendo apenas para o lixo e para os ladrões. Segundo o coordenador de Controle Urbano do Município, Lúcio Costa, o objetivo da pesquisa é adequar o ordenamento urbano ao comportamento do grande consumidor das praias.

Entre as metas de ordenamento estão os quiosqueiros e o comércio ambulante. Na primeira etapa da pesquisa, foram ouvidos 500 banhistas, mais de 50% deles moradores do bairro, nos dias 31 de março e 1 de abril de 2007. De acordo com os resultados, o lixo é o fator que mais incomoda o banhista, segundo 26,8% dos entrevistados. Para 20,59% deles, a falta de segurança é o maior problema. A falta de banheiros ficou em terceiro lugar, com 12,91%.
Fonte: O GLOBO -OBID