Fumódromos podem acabar em Minas Gerais

Acabar com os fumódromos nos espaços públicos de Minas Gerais é o próximo desafio da Subsecretaria Estadual de Políticas Antidrogas. Apesar de ter o objetivo de polpar os não-fumantes do tabagismo passivo, algumas pessoas são prejudicadas com a fumaça proveniente do espaço. “Não adianta, a fumaça acaba atingindo outras pessoas, seja pelos orifícios, pelo ar-condicionado, e ainda têm os funcionários que ficam exposto”, disse o subsecretário Clóvis Belevides.

A medida já está em vigor em outros Estados como São Paulo, por exemplo. Para ele, a restrição não basta, o ideal é que os ambientes públicos sejam totalmente livres do tabaco. “Já estamos realizando um trabalho para a implantação dessa estratégia”, garante. Para o subsecretário, as pessoas tratam a dependência como uma escolha pessoal, o que constitui um enorme equívoco.

“O tabagismo é uma questão de saúde coletiva”, frisa. De acordo com a superintendente de Prevenção, Tratamento e Reinserção Social da subsecretaria, Rosângela Paulino, o ambiente público deve ser uma espaço de exemplo para a sociedade. “É até incoerente com as políticas públicas. Se as pessoas que compõem aquele ambiente fazem uso do tabaco, como vamos restringir os demais?”
Fonte: O Tempo – OBID