36% das vítimas beberam antes de morrer

O estudo será incluído nos argumentos em favor da adoção de uma Lei Seca no Estado, cuja proposta será apresentada hoje – 03/08, pela Secretaria da Segurança Pública – SSP, à Câmara Setorial de Desenvolvimento Social do governo do Estado.

Concluído no mês de agosto, o trabalho científico realizado pelos médicos legistas e professores universitários Francisco Silveira Benfica e Márcia Vaz associa como dados concretos álcool e assassinatos. Os peritos analisaram laudos de necropsias de 4.185 homicídios dos 4.980 que deram entrada no Departamento Médico Legal – DML da Capital entre 2000 e 2005.

A pesquisa indica que não foi preciso beber muito para as vítimas se envolverem em atritos que as levaram à morte. A concentração média da bebida verificada nos corpos foi de 3,8 decigramas de álcool por litro de sangue.
Dependendo da quantidade, o álcool pode ser detectado no corpo até 24 horas depois da ingestão. Em grande parte dos casos, segundo o médico, o consumo ocorreu momentos antes dos crimes.

O médico legista garantiu que, ao beber, a vítima contribuiu decisivamente para a própria morte.

“O uso de álcool é um importante fator de risco para homicídios. Altera o comportamento das pessoas. Elas tendem a reagir com violência a uma situação em que, se estivessem sóbrias, teriam atitudes mais civilizadas” afirmou Benfica.

O trabalho mostra que 84% dos crimes foram provocados por arma de fogo, com média de três disparos. Uma em cada três vítimas foi alvejada na cabeça. Quase a totalidade – 94%, é homem. E, mais da metade deles, morreu com 30 anos ou menos.

A incidência de 36% de alcoolemia entre vítimas de homicídios da Grande Porto Alegre é menor do que a aferida em uma pesquisa realizada em São Paulo, em 2005, que apresentou índice de 41%. O índice gaúcho também é mais baixo do que o divulgado em estudos recentes nos Estados Unidos – 53%.

O médico diz que, além de assassinatos, o álcool tem influência sobre 40% das mortes no trânsito e 20% dos casos de suicídio.
Fonte: ZERO HORA-RS (com alterações)- OBID