Pesquisa investigou a relação entre o que pensa o jovem sobre drogas e a sua predisposição para o consumo

O conhecimento e o reconhecimento das atitudes diante do uso de drogas pode ser uma estratégia eficaz no controle dessas substâncias. Esta atitude pode auxiliar o conhecimento dos antecedentes e das conseqüências do uso de drogas, na melhora dos programas de mudança de atitudes e nas estratégias de aconselhamento dos indivíduos envolvidos.

Estudo publicado pelo Jornal Brasileiro de Psiquiatria, em 2007, buscou testar a adequação da Escala de Atitudes Ante o Uso de Drogas (EAAUD) para predizer o fato de o indivíduo ser usuário de drogas, ou seja, verificar se esta escala é capaz de – a partir do que o jovem pensa sobre as drogas, seus efeitos e seu consumo – definir um perfil subjetivo, positivo ou negativo, que determinará a ocorrência ou não do consumo de drogas.

A população de estudo foi constituída por 276 estudantes universitários de vários cursos – com idade de 21 a 43 anos -, sendo a maioria solteira e do sexo feminino – provenientes de uma universidade pública (94,2%) e particular (5,8%) da cidade de João Pessoa-PB.

A coleta de dados deu-se por meio de um questionário sócio-demográfico e pelo preenchimento da EAAUD. Esta escala é formada por quatro itens/adjetivos bipolares (positivo/negativo, gosto/desgosto, bom/ruim e desejável/indesejável) respondidos em escala do tipo diferencial semântico, de 9 pontos, variando de – 4 a + 4.

Dentre os 276 participantes do estudo, dois deixaram de responder à pergunta: “Você é usuário de drogas (como cocaína, crack e êxtase)?”. Dos que a responderam, 1,5% admitiu ser usuário de algum tipo de droga. Foi observado que 63% da amostra obtiveram a máxima pontuação, indicando atitudes totalmente negativas perante o uso de drogas e apenas 6,5% se encontraram abaixo dessa medida, o que pode ser indício de atitudes menos desfavoráveis.

Os autores concluíram explicitando que o objetivo do estudo foi atingido, pois a EAAUD reúne evidências de validade fatorial e preditiva, podendo ser empregada para conhecer o envolvimento potencial dos jovens com drogas.

Texto resumido pelo OBID a partir do original publicado pelo Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, 56(1): 53-59, 2007. ISSN 0047-2085. Editada pela Associação Brasileira de Psiquiatria.

Título Original: Escala de atitudes frente ao uso de drogas: evidências de validade fatorial e preditiva.


Leia o artigo completo aqui

Fonte: GOUVEIA, V. V.; PIMENTEL, C. E.; MEDEIROS, E. D. et al. – OBID