Cerca de 18 mil participam de caminhada contra uso de drogas

Cerca de 18 mil pessoas participaram ontem – 16/09, de caminhadas em 14 bairros do Rio de Janeiro contra o uso de drogas e em defesa da preservação da saúde. Com o slogan “Rio Caminhando a Favor da Vida”, a atividade é realizada todos os anos, desde 2001, no terceiro domingo de setembro pela Secretaria Especial de Prevenção à Dependência Química, ligada à prefeitura da cidade.

Além das caminhadas, em cada bairro, foi realizada uma série de atividades, como atendimentos gratuitos de saúde e apresentações musicais. Participaram da mobilização – que envolveu todas as secretarias do município – estudantes, membros de associações de moradores e organizações não-governamentais – ONGs.

Educação

Para o, a prevenção pela educação é a chave para combater o problema das drogas. “O vetor principal do combate às drogas está na prevenção, principalmente por meio da educação”, disse Borges. Ele enfatizou, entretanto, que não se pode ficar só na educação: “É necessária a repressão desde o mercado produtor, das rotas, até o mercado consumidor, mas a prevenção é o principal vetor, principalmente por ser mais barato e atingir todas as camadas da sociedade”.

Segundo o secretário especial de Prevenção à Dependência Química, Francisco Borges, programas de prevenção ao uso de drogas são desenvolvidos nas 1.055 escolas do município, instruindo crianças e adolescentes sobre o poder destrutivo das drogas e buscando ocupar a vida destes com ações positivas, na área da música e do esporte.

Cerca de cinco mil moradores de comunidades também foram formados pela secretaria como multiplicadores de informações e hoje atuam na chamada “rede preventiva local” articulada nos bairros da cidade.

Borges lembrou que, além de combater o consumo de drogas ilegais, como maconha, crack e cocaína, o trabalho da secretaria visa reduzir o consumo de drogas legais, como o álcool e o cigarro. De acordo com o secretário, o álcool é responsável por 75% dos acidentes de trânsito ocorridos com pessoas na faixa de 18 a 24 anos, enquanto o tabaco é causador de 55 mil mortes anuais por problemas cardíacos e pulmonares nas metrópoles brasileiras.
Fonte: TRIBUNA DA IMPRENSA-RJ – OBID