fbpx

Cigarros com filtro podem aumentar a incidência de câncer de pulmão

Um estudo de pesquisadores americanos desfez mais um mito sobre o cigarro. Desta vez, o cigarro com filtro, além de não proteger contra os efeitos da nicotina, os médicos suspeitam que ele até aumente a incidência de câncer de pulmão.

No dia-a-dia, os médicos fazem o diagnóstico dos exames de muitos pacientes. Há cinco meses, um deles viu o resultado do seu próprio exame de pulmão. O médico fumou durante 30 anos. “Fiz o exame e fui ver na tela. Vi que tinha um nódulo e levei um susto. Sempre achei que estava imune, que se mal não me pegaria”, contou o médico.

O câncer de pulmão pegou 27 mil brasileiros em 2006. Os fumantes têm entre 20 e 30 vezes mais possibilidade de ter a doença do que os não-fumantes. Há quem pense que o filtro oferece algum tipo de proteção. “Só fumo cigarros de filtro branco, que eu acho mais leve”, disse uma mulher. O filtro do cigarro não protege o pulmão contra o câncer. É o contrário: o cigarro com filtro está associado ao aumento da incidência de um determinado tipo de câncer. Essa é a conclusão a que chegaram pesquisadores reunidos em um congresso mundial na Coréia.

O médico Carlos Gil Ferreira participou do congresso e disse que há uma epidemia mundial de adenocarcinoma, um câncer que ocorre na periferia dos pulmões. Os nódulos ficam mais perto das costelas, e não do coração, e atingem tanto homens quanto mulheres. “O que acontece é que as pessoas acabam tragando mais forte e a fumaça atinge mais a periferia do pulmão. Talvez esse seja a relação do aumento do adenocarcinoma”, explicou o chefe do Serviço de Pesquisa Clínica do Instituto Nacional do Câncer – Inca, Carlos Gil Ferreira. Os médicos dizem que, na verdade, qualquer cigarro faz mal. E uma coisa é certa: “O maior filtro acaba sendo o nosso pulmão mesmo”, afirmou um homem.
Fonte: Jornal Nacional -OBID